Regeneração florestal pode reduzir as taxas de extinção de aves em áreas da Mata Atlântica

 

As florestas tropicais contêm mais de metade de todas as espécies de plantas e animais do mundo. Porém, são as que mais perdem biodiversidade, devido à redução de habitat e degradação florestal. Para tornar o cenário ainda pior, muitas das espécies de plantas e animais tropicais mais ameaçadas estão restritas a somente cerca de 20 locais em áreas tropicais, que já perderam mais de 70% do habitat original.

Uma das metodologias para conter a extinção de espécies é a regeneração florestal, conectando grandes fragmentos florestais, utilizada ao longo de mais de uma década pelo IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas, na Mata Atlântica, uma das mais ameaçadas florestas tropicais no mundo. Recentemente, o método foi avaliado como altamente eficaz para as aves, de acordo com um estudo liderado pela Universidade de Utah e publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (EUA). A pesquisa, realizada na Mata Atlântica central do estado do Rio de Janeiro e do Pontal do Paranapanema/SP e também nas Montanhas do Arco Oriental da Tanzânia, mostra que a regeneração florestal direcionada entre os maiores fragmentos mais próximos pode reduzir significativamente as taxas de extinção das espécies de aves.

"Estes são dois dos hotspots de biodiversidade tropical mais fragmentados no mundo, por isso eles fornecem exemplos vitais do que pode ser conseguido para evitar extinções em todo o mundo", afirma o autor principal do artigo, William Newmark.

Todos os fragmentos perdem espécies, eventualmente. Mas o objetivo da conservação é adiar as extinções que poderiam acontecer em alguns anos ou décadas. Assim, os pesquisadores estimam que, se as florestas entre fragmentos maiores e mais próximos em 11 locais dos hotspots forem regeneradas - cerca de 8.100 hectares na Tanzânia e 6.500 hectares na Mata Atlântica - isso reconectaria aproximadamente 77% de todas as florestas restantes no arco Oriental (Tanzânia), 23% no centro do Rio de Janeiro (RJ/Brasil) e 33% no Pontal do Paranapanema (SP/Brasil), aumentando o tempo de vida das aves em até 56 vezes nessas áreas.

Clinton Jenkins, pesquisador do IPÊ e co-autor do estudo, alerta para a necessidade de rapidez em se promover a conectividade entre grandes fragmentos. "Existe uma urgência na regeneração de floresta entre fragmentos florestais o mais rápido possível para obter o máximo benefício. As primeiras extinções podem ocorrer em apenas sete anos, em média, a partir do desmatamento de uma área como a Mata Atlântica", diz.

Os pesquisadores estimam que o custo para se fazer a reconexão florestal (com corredores de biodiversidade - que ligam um grande fragmento a outro) seja de até 49 milhões de dólares para a Mata Atlântica no centro do Rio de Janeiro e no Pontal do Paranapanema, e de até 21 milhões de dólares nas Montanhas do Arco Oriental da Tanzânia. "Isso poderia fornecer um dos maiores retornos do investimento para a conservação da biodiversidade em todo o mundo", observa Stuart Pimm, participante da pesquisa e professor da Duke University.

Acesse o artigo.