Mestra pela ESCAS implementa programa para agricultores do sul da Bahia que ajuda no aproveitamento de 100% da mandioca

 

Jeilly Vivianne, mestra pela ESCAS, também atua no extremo sul da Bahia na implantação da Farinheira Sustentável, que integra o PAT da Mandiocultura - Plano de Ação Territorial da Mandiocultura, uma iniciativa com recursos do PDRT da Suzano e apoio do PRODETER – Programa de Desenvolvimento Territorial, do Banco do Nordeste.  Diretamente 709 famílias são atendidas pela equipe de Jeilly no PDRT, e mais de 3 mil têm acesso ao conteúdo pelo PAT, participam das capacitações e esse número está prestes a ultrapassar os limites das ações inloco. 

A mais recente investida de Jeilly, nessa direção, para mostrar todo o potencial da mandioca – com destaque para o uso integral da planta – é o MandioCast, lançado em maio, em todas plataformas de podcast, com episódios quinzenais. O programa também será divulgado por lista de transmissão em plataforma de mensagens instantânea. “Vamos disseminar o que está sendo feito. Temos áreas produzindo seis toneladas por hectare e áreas com 80 toneladas”, explica Jeilly.

Segundo dados da Embrapa referentes à safra de 2018, a região Nordeste registrou na média a menor produtividade nacional com 8,98 t/ha, o menor índice é justamente o da Bahia com 6,71 t/ha; o que coloca o estado como a menor produtividade do país. A média nacional é de 14,64 t/ha.

Dessa forma, a expectativa é mobilizar os agricultores a seguirem as Boas Práticas que revelam melhores resultados. A Embrapa terá um quadro no Mandiocast – o Embrapa Responde”. O Mandiocast também tem o apoio do Prodeter/Banco do Nordeste. Para levar esse conteúdo ao maior número de agricultores o contato com as prefeituras da região segue como estratégico. “Conversamos com os secretários de agricultura da região para que essa informação chegue ao agricultor”, complementa Jeilly. 

De 40% a 100% 

O maior desafio do Programa é conscientizar a população sobre as possibilidades de uso integral da mandioca para diversificar a produção. “Em média apenas 40% da planta é utilizada. Pelo programa da Farinheira Sustentável – reconhecido como tecnologia social pelo Estado da Bahia – já sabemos que é possível utilizar 100% da mandioca. A parte aérea da planta pode ser utilizada como proteína da ração animal – a parcela mais cara. O grolão – a parte mais grossa que fica na peneira no momento de fazer a farinha – tem energia. Juntando o grolão com a raspa da casca é possível compor a parte energética da ração animal”. Dessa forma, agricultores conseguem fazer ração à base de mandioca para gado leiteiro, aves e ovinos. “É preciso apenas colocar núcleo mineral específico por categoria animal. Recuperamos as formulações da Embrapa dos anos 1970”. 

A manipueira também tem destino certo. “Ela é uma excelente fonte de adubo foliar, também utilizada na adubação de fundação e na adubação de cobertura da mandioca e de outras culturas. Usamos a raspa da casca também nas entrelinhas do plantio, como matéria orgânica, para proteger o solo, o que melhora a umidade, diminui a manutenção e reduz os custos de produção”.   

Confira o relato da Maria das Graças que mostra todo o processo desde o plantio até o produto final. https://www.youtube.com/watch?v=is__clTpJA4&feature=youtu.be

Desafio é Oportunidade

As ações tiveram início pela necessidade de adequação das farinheiras. “Em 2017, o Ministério Público recebeu uma denúncia sobre o descarte inadequado da manipueira – resíduo líquido da prensagem da massa da mandioca – 25 vezes mais poluente do que o esgoto doméstico. Por falta de conhecimento a maioria dos agricultores descartava esse resíduo no rio. O Ministério Público acionou o secretário de Meio Ambiente de Alcobaça que entrou em contato comigo. Tivemos a aliança de dois programas: do PAT/Prodeter, do Banco do Nordeste e do PDRT – Programa de Desenvolvimento Rural Territorial, da Suzano com o objetivo de evitar o fechamento das farinheiras”, esclarece a engenheira agrônoma. 

Segundo Jeilly, o contato teve como objetivo encontrar uma solução capaz de responder ambientalmente à denúncia mantendo as farinheiras abertas. “Apenas em Alcobaça (BA), são 775 farinheiras familiares (IBGE/2017). Se fechassem as farinheiras o impacto social e econômico seria muito alto. A gente fez um cálculo aproximado e 70% da renda do município de Alcobaça vem da mandioca. Uma farinheira emprega de oito a dez famílias”, explica.

Em um primeiro momento, a resposta foi a formação de um Grupo de Trabalho com a participação de uma professora da Universidade Federal do Sul da Bahia, de três consultores da Suzano e do coordenador da Vigilância Sanitária de Alcobaça, que em conjunto desenvolveram o Programa Farinheira Sustentável, que integra o PAT da Mandiocultura. “Apresentamos o Programa ao Ministério Público. Conseguimos formar 228 pessoas no conceito da Farinheira Sustentável e a doação de 50 sistemas de armazenamento da manipueira pelo PDRT/Suzano (42 já foram implantados). Avançamos com o Banco do Nordeste no financiamento para quem precisa fazer as adequações necessárias na parte sanitária. No segundo momento, quando o agricultor obtém o alvará sanitário e o alvará ambiental – ele entra no processo de comercialização, consegue empacotar os produtos e assim acessar outros mercados. Sem os alvarás, 90% dos agricultores ficam reféns do atravessador”. O Programa Farinheira Sustentável teve início em Alcobaça e está sendo disseminado em mais 10 municípios no extremo sul da Bahia: Caravelas, Prado, Mucuri, Nova Viçosa, Teixeira de Freitas, Itamaraju, Jucurucu, Ibirapuã, Medeiros Neto e Lajeadão.

A produção de mandioca e derivados nos municípios de Alcobaça, Prado, Teixeira de Freitas e Ibirapuã (BA) também integra as Cestas de Produtos da Agricultura Familiar com entrega via Delivery pontuadas na matéria De Carvoeiros a Agrofloresteiros

Em setembro de 2019, o programa Farinheira Sustentável (FS) esteve entre as 25 iniciativas selecionadas para apresentação na Conferência Internacional de Agricultura e Biologia, o Tropentag 2019, em Kassel, na Alemanha. O caminho até lá envolveu a disputa entre 235 ações inscritas.

Jeilly Vivianne Ribeiro desenvolve essa iniciativa ao lado 15 colaboradores diretos, entre funcionários e estagiários, que trabalham com ela na Polímata Soluções Agrícolas e Ambientais – empresa que ela fundou dois meses após a conclusão do mestrado profissional da ESCAS na Bahia. Uma das colaboradoras de Jeilly também está na ESCAS. “Dorandia Trivellin começou como estagiária e segue como funcionária na Polímata. Ela tem um potencial incrível e quando me contou que o sonho dela era fazer mestrado, eu disse ‘Você vai para a ESCAS’.