Curso a distância apoia monitores no acompanhamento do Pirarucu

pirarucuO monitoramento da biodiversidade passou por uma série de adequações no contexto da pandemia. Desde março, por conta do isolamento social, como forma de dar continuidade ao trabalho, a equipe do projeto MPB – Monitoramento Participativo da Biodiversidade, do IPÊ, segue em contato com as comunidades de maneira remota. 

Com o objetivo de apresentar o protocolo de monitoramento do pirarucu e orientar sobre preenchimento dos formulários com informações bioecológicas e socioeconômicas, neste mês de outubro (dia 15), monitores da Reserva Extrativista (Resex) do Rio Unini participaram de curso ministrado pela equipe do IPÊ, acompanhados de profisisonais do ICMBio.

Segundo Pauletiane Horta, técnica em recursos pesqueiros e brigadista do NGI/ICMBio Novo Airão, o manejo do pirarucu no Rio Unini vem crescendo e ganhando seu espaço, desde 2013; o que reforça a importância dos apoiadores e parceiros. “Cada vez mais os apoiadores buscam melhorias para que os manejadores possam entender a funcionalidade do manejo e consigam ter autonomia. Nós, como técnicos e apoiadores, estamos sempre dispostos a levar nosso conhecimento para eles, pois somos multiplicadores do conhecimento”, comenta. Pauletiane contou com acesso à internet no escritório do ICMBio.

Já para Paula Pinheiro, analista ambiental do NGI/ICMBio Novo Airão, o treinamento facilitou muito a capacitação que será realizada com os monitores em campo no momento pós-pandemia. “Com a ferramenta teremos informações importantíssimas sobre o manejo do pirarucu e os fatores que afetam a efetividade do manejo; o que nos ajudará a ter uma visão mais ampla da evolução do manejo ao longo dos anos".

Ângela Midori, analista ambiental do NGI/ICMBio Novo Airão, destaca os avanços obtidos com o monitoramento do pirarucu. Para a gestão, com o monitoramento é possível compreender a atividade como ecologicamente sustentável. Já a comunidade tem condição de avaliar se a atividade é economicamente viável e se tem gerado um recurso com repartição justa. Os novos protocolos estão bem bonitos visualmente, o que acredito agradará o monitor e contribuirá com o preenchimento. Quero muito ver como vão ficar os protocolos digitais”.

Implementação   

O monitoramento do pirarucu na Resex do Rio Unini teve início em 2019 com a capacitação de oito monitores, incluindo a gestora da Unidade de Conservação (UC).

O que é o protocolo do pirarucu?

É um dos Protocolos que compõem o Subprograma Aquático Continental do programa MONITORA (IN nº 03 de 04/09/17), que consiste em um roteiro seguido pelos monitores que fazem levantamentos sobre a biodiversidade pelo MPB - Monitoramento Participativo da Biodiversidade, do IPÊ, e programa Monitora/ICMBio. 

O protocolo do pirarucu foi criado de forma participativa, com apoio de gestores de UCs do ICMBio e SEMA - Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Amazonas, manejadores de pirarucu, analistas ambientais do IBAMA, pesquisadores e técnicos do IPÊ e parceiros. 

Aprimoramento 

O protocolo do pirarucu está em fase de teste e aprimoramento, com a participação dos grupos de manejo de quatro UCs, uma área de Acordo de Pesca (Resex Unini, Resex Baixo Juruá, Resex do Médio Juruá, RDS Uacari e Área de Acordo de Pesca do Baixo-Médio Juruá), que colocarão todas as etapas em prática. 

O resultado desse trabalho será o desenvolvimento de uma ferramenta padrão para avaliar o status da espécie e a eficiência ambiental, econômica e social do manejo sustentável de pirarucu.

Sobre o projeto MPB 

A atividade faz parte da parceria entre IPÊ e o ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, por meio do CEPAM - Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Amazônica, que integra o Monitora - Programa Nacional de Monitoramento da Biodiversidade, Subprograma Aquático Continental.

A iniciativa é uma atividade do projeto MPB - Monitoramento Participativo da Biodiversidade em Unidades de Conservação da Amazônia”, desenvolvido pelo IPÊ em parceria com o ICMBio, com apoio de Gordon and Betty Moore Foundation e USAID.