Últimas Notícias

 

O IPÊ recebeu esta semana as doações de dois parceiros da causa socioambiental: Ecoswim e E-trip.

O Ecoswim é um evento de natação organizado pelos estudantes da Poli-USP, com parte das inscrições destinadas ao IPÊ para apoio ao viveiro de mudas da Mata Atlântica. O Instituto é beneficiado pelas doações há 12 edições.

Este ano, o evento arrecadou 20 mil reais, com a participação de 960 pessoas. Além da doação de parte das inscrições, os participantes levam para a casa mudas produzidas no mesmo viveiro que eles ajudam a conservar. 

O viveiro escola do IPÊ é utilizado para produzir mudas de árvores da Mata Atlântica que servirão para reflorestamento. O local também é utilizado como uma escola ao ar livre, proporcionando conhecimento ambiental a alunos e professores de Nazaré Paulista, onde está localizado, e para outros visitantes interessados no tema.

Saiba mais aqui como foi o evento em 2019.

 

Viagens que apoiam o meio ambiente 

A etrip, plataforma de viagens corporativas on-line da Tour House, lançou em novembro a campanha "etrip green friday". A ideia engajou empresas do segmento de Turismo para contribuir com o meio ambiente. Na campanha, para cada venda realizada na plataforma etrip em todo o mês, a empresa plantará um metro quadrado de Mata Atlântica. A iniciativa arrecadou R$6.360,30 e teve adesão de várias empresas: Tour House Corporativo, Tour House Eventos, Air France KLM, Gol, Movida, Vivere Viagens, Italica, 123 Espanhol, 123 Japonês, 123 Francês, Evento Único, Rock Content, e Agência Amigo. Com o recurso, serão plantados 1.910 metros quadrados de floresta, ou seja, 320 árvores. O plantio será executado em área de influência do Sistema Cantareira de abastecimento.

"Isso é apenas o começo. Acreditamos muito no potencial dessa iniciativa. É muito importante agirmos e dar oportunidade de as empresas também agirem em prol do socioambiental", afirmou Vinicius Gonçalves, head da etrip (na foto, à direita).

 

O IPÊ lança a primeira edição de sua Série Técnica. A publicação trata de como as Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação podem ser realizadas, como as parcerias são importantes nesse processo e as iniciativas que dão resultados expressivos para a conservação nessas áreas protegidas.

Acesse aqui a SÉRIE TÉCNICA e faça o download gratuito do material.

 

O IPÊ realiza no dia 17 de dezembro, às 15h, a Mesa-Redonda Diálogos da Conservação: Construindo parcerias para a Gestão de UCs. O evento terá transmissão ao vivo pelo link www.ipe.org.br/dialogosipe.

A mesa-redonda terá participação de Claudio Padua, vice-presidente do IPÊ, Angela Pellin e Fabiana Prado, coordenadoras de projetos do Instituto, que há cerca de 10 anos lideram projetos que têm como eixo a construção de parcerias para enfrentar desafios na gestão de Unidades de Conservação no Brasil.

Com o evento, o IPÊ convida os participantes a conhecerem mais de perto a realidade das Unidades de Conservação, seus desafios e oportunidades. É um momento também de o Instituto compartilhar os conhecimentos adquiridos no desenvolvimento de parcerias, que se transformou em uma das expertises da instituição.

"Acreditamos muito nas parcerias entre setores como forma de criar inovação na conservação socioambiental. Temos conseguido resultados importantes para a gestão de UCs na Amazônia devido ao envolvimento de várias instituições para um mesmo propósito. A atuação em rede de empresas, governo e sociedade só fortalece o bioma e beneficia, especialmente, as comunidades locais, que podem participar ativamente desses processos", afirma Fabiana Prado, gerente de projetos e articulação institucional do IPÊ.

O fortalecimento das instituições que atuam em conjunto pelas Unidades de Conservação é parte importante para que os projetos possam ter resultados positivos. "Por exemplo, no projeto Motivação e Sucesso para a Gestão de UCs (MOSUC), conseguimos fazer com que organizações locais da Amazônia se capacitassem para atuarem junto a gestores do ICMBio, apoiando ações dentro das UCs. Isso foi fundamental e hoje, após a mais recente etapa do projeto finalizado, vemos que essas ONGs locais continuam a desenvolverem trabalhos nas UCs", afirma Angela Pellin, coordenadora do MOSUC.

Essas e outras reflexões serão debatidas na mesa-redonda que terá mediação do pesquisador Fernando Lima (IPÊ), criador do podcast Desabraçando Árvores. Durante o evento, será gravado mais um episódio do podcast, que pode ser acessado em diversas plataformas.

 

Estão abertas as inscrições para a nova turma do Mestrado Profissional em Conservação da Biodiversidade e Desenvolvimento Sustentável da ESCAS - Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade. Com professores atuantes no mercado da conservação socioambiental e direcionado às questões práticas da sustentabilidade, o curso tem nota 4 da CAPES (a nota máxima é 5) e destina-se aos mais variados perfis profissionais, seja do setor privado, governamental ou não-governamental. Imerso na Mata Atlântica, o campus da ESCAS, em Nazaré Paulista (SP), é um ambiente propício para compartilhamento de aprendizagem em conservação e sustentabilidade e construção de conhecimentos inovadores para transformar realidades. Para 2020, oito bolsas de estudo são oferecidas - conheça as condições aqui: https://escas.org.br/editalmestrado2020

"Somos um Mestrado Profissional diferente dos cursos tradicionais. Nosso diferencial está em extrair o melhor de cada profissional, de cada aluno, de forma com que ele possa influenciar o setor socioambiental de maneira positiva, dentro de sua área de atuação. Incentivamos a criação de projetos inovadores, que possam ser verdadeiramente aplicados", comenta a coordenadora Cristiana Martins.

O Mestrado Profissional da ESCAS tem 11 anos e formou 136 mestres. De acordo com levantamentos da Escola, 41% dos mestres formados atuam hoje em instituições governamentais, 32% no setor privado, 25% em Organizações da Sociedade Civil e 2% em universidades. Quase 40% dos alunos que passaram pelo mestrado conseguiram ingressar no mercado de trabalho da conservação ou sustentabilidade por meio da rede de contatos formada pelo curso.

"O curso foi determinante para um novo momento meu na área profissional. Entender melhor a dinâmica profissional do terceiro setor, bem como o melhor engajamento de programas/projetos e ideias ou negócios inovadores foi relevante para que buscasse um melhor desenvolvimento e envergadura profissional. Também considero importante a amplitude de networking construído ao longo do curso que fortaleceu o meu desenvolvimento pessoal, propiciando novas oportunidades de diálogo e novas perspectivas profissionais", afirma Thiago Guedes, engenheiro agrônomo e coordenador Institucional do Instituto Viverde

A marca do curso é a qualidade e o contato com os desafios reais da sustentabilidade. Uma das disciplinas, por exemplo, é a Resolução de Desafios, quando os alunos são colocados frente a um projeto real que precisam executar em apenas uma semana.

Durante o mestrado, os alunos também têm contato com profissionais que estão na vanguarda da conservação socioambiental. A chance de poder acompanhar de perto projetos que são executados pelo IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas também é uma possibilidade enriquecedora. O Instituto tem 27 anos e é reconhecido por sua atuação em pesquisas científicas, educação ambiental, restauração florestal e envolvimento comunitário para a conservação da biodiversidade brasileira. 

As inscrições estão abertas aqui: https://escas.org.br/editalmestrado2020

 

O IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas considera inadmissíveis as alegações sem provas contra o Projeto Saúde & Alegria @saudeealegria. Defensores da natureza e das populações indígenas e ribeirinhas da Amazônia, esta organização é referência há décadas por seus trabalhos exemplares, que já lhes renderam prêmios e outros reconhecimentos no Brasil e no exterior. Somos solidários a seus fundadores e a toda a equipe que têm dado relevantes contribuições para a Amazônia e para a vida de suas comunidades.