Últimas Notícias

 

O projeto Semeando Água, patrocinado pela Petrobras Socioambiental, é finalista do 7º Prêmio Ação pela Água. Os vencedores da premiação serão conhecidos durante a celebração dos 30 anos do Consórcio PCJ, no dia 17 de outubro, em evento que acontecerá no Via Appia, em Campinas (SP), e receberão o troféu “Olho d’água”, inspirado e produzido pelo artista multimídia Ca Cau.
 
Entre as seis categorias do 7º Prêmio Ação pela Água foram inscritos 90 resumos técnicos de projetos e reportagens. Após a avaliação da comissão julgadora, foram selecionados 23 finalistas que receberão certificado de “Notórios da Água”.
 
Todas as ações que concorrem ao 7º Prêmio Ação pela Água foram desenvolvidas com o objetivo de salientar o respeito ao meio ambiente e a gestão sustentável da água.
 

Confira abaixo os finalistas para o Prêmio, por categoria e em ordem alfabética:

CATEGORIA I: Poder público de municípios associados ao Consórcio PCJ:
– Pequenos Viveiros, Pequenos Produtores, Prefeitura Municipal de Rio Claro (SP)
– Projeto de Trabalho Social Guardiões da Água, Prefeitura Municipal de Piracicaba (SP)
– Recuperação de Nascente, Prefeitura Municipal de Saltinho (SP)

CATEGORIA II: Setor empresarial associado ao Consórcio PCJ:
– Monitoramento e Fiscalização dos Efluentes Industriais, BRK Ambiental – Limeira (SP)
– Oficina Ciclo da Água no Saneamento, Sanasa Campinas (SP)
– Projeto Uso Racional da Água em Escolas Públicas, Sanasa Campinas (SP)

CATEGORIA III: Instituições não associadas ao Consórcio PCJ:
– Preservação de Água na Operação de um Supermercado, Ecosuporte
– Programa Viraser, Gaia Social
– Sistema de Reúso de Água Industrial, Hyundai Motor Brasil Piracicaba (SP)

CATEGORIA IV: Sociedade Civil:
– Educação Ambiental no Projeto De Olho nos Rios, Associação Mata Ciliar
– Projeto Semeando Água, Ipê
– Saneamento Rural no Projeto de Olho nos Rios, Associação Mata Ciliar

CATEGORIA V: Ensino e pesquisa
– Água Nossa de Cada Dia, Escola Santo Agostinho
– Ozônio: Uma Forma Alternativa para Tratamento de Efluentes, Unifaj
– Programa Ecoedu, Unicamp

CATEGORIA VI: Imprensa
SEGMENTO I: Reportagem jornalística em veículo impresso e/ou digital:
– Água é considerada boa em apenas 6,5% dos rios da mata atlântica, Ebc/Agência Brasil
– Jornal + Notícias Ambientais, + Notícias Ambientais

 

De 14 a 17 de outubro, o IPÊ participa do III Congresso de Áreas Protegidas da América Latina e Caribe, que será realizado em Lima (Peru), com uma série de apresentações e um evento paralelo. A presidente Suzana Padua e a pesquisadora Angela Pellin, participantes da Comissão de Educação e Comunicação da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza), compõem o comitê técnico do evento, avaliando trabalhos técnicos entre outras demandas na estruturação do congresso.

Sob o tema “Soluções para o bem-estar e o desenvolvimento sustentável”, o evento é um espaço para a troca de experiências e debates sobre políticas públicas, a fim de promover áreas protegidas como soluções baseadas na natureza diante dos desafios da sociedade. O Congresso oferece a oportunidade para autoridades governamentais, organizações multilaterais, líderes de comunidades locais, tradicionais e indígenas, bem como do setor privado, apresentarem propostas que serão transferidas antes da Convenção sobre Diversidade Biológica, que revisará as Metas de Aichi em 2020.

No congresso, o evento paralelo e demais apresentações do IPÊ vão tratar sobre as experiências do Instituto com os projetos MPB - Monitoramento Participativo da Biodiversidade, MOSUC - Motivação e Sucesso para Gestão de UCs e o LIRA – Legado Integrado da Região Amazônica, que desenham e implementam soluções integradas para os desafios das áreas protegidas e colaboram na sua implementação e efetividade.

Os três projetos atuam junto a 116 áreas protegidas, sendo 43 terras indígenas e 73 unidades de conservação. Entre seus resultados está a formação de 460 monitores de biodiversidade, atuação em rede junto a 74 instituições parceiras e 140 boas práticas de gestão em UCs sistematizadas. Confira a programação:

Evento paralelo - Vagas Limitadas 
INSCREVA-SE

16/10 - Terceiro Setor no Apoio à Gestão de Áreas Protegidas na Amazônia no Brasil: perspectiva e oportunidades para os próximos 10 anos
(Vagas limitadas: inscreva-se)
Palestrantes: Claudio Padua e Fabiana Prado (IPÊ), Carlos Durigan (WCS), Karen Oliveira (TNC), Mariana Ferreira (WWF/Brasil e Coalizão Pró-UC) Horário: das 12h15 às 14h15
Atividade: Evento Paralelo
Local: Sala Naciones 3 – mesa 1 – Piso 8

Apresentações
Abertas ao público

 

15/10 – Monitoramento Colaborativo da Biodiversidade e a Aprendizagem Compartilhada: o Encontro de Saberes 
Apresentador: Marcos Ortiz
Atividade: Apresentação Oral
Horário: 14h25
Local: Salão Ichma 1

16/10 - Monitoramento e conservação participativa da biodiversidade em Unidades de Conservação na Amazônia brasileira
Apresentadora: Pollyana Lemos
Atividade: Poster 112
Horário: 12h40 às 13h10
Local: Pucllana 

17/10 - Soluções Integradas para Áreas Protegidas e Lançamento do Projeto LIRA – Legado Integrado da Região Amazônica
Apresentadores: Fabiana Prado, Neluce Soares, Cristina Tóffoli e Angela Pellin
Horário: das 12h às 13h
Local: Pavilhão Naturaleza Para Todos

17/10 - Programa de Voluntariado: engajando a sociedade na conservação da biodiversidade brasileira
Apresentadora: Angela Pellin

Atividade: Apresentação Oral
Horário: 14h25
Local: Salão Ichma 2

17/10 - Tema ESCAS - Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade: jovens líderes para a conservação
Apresentadores: Suzana Padua e Claudio Padua
Horário: 16h
Local: Pavilhão Naturaleza Para Todos 

 

 

Em mais uma etapa do Plano Operacional de Conectividade entre Unidades de Conservação e demais áreas protegidas no Oeste Paulista (POC), o IPÊ, a Fundação Florestal (FF) e organizações que atuam nesta região vão construir o “Estudo do Mercado da Restauração Florestal de Corredores de Conectividade entre Unidades de Conservação da região do extremo oeste de São Paulo".

Para isso, as organizações convidam instituições, representantes da sociedade civil ou governamental, empresários, proprietários de terra, produtores e comunidade a participarem da Oficina sobre o Mercado da Restauração Florestal, no dia 03 de outubro, das 09h às 16h, na sede do Parque Estadual do Morro do Diabo, em Teodoro Sampaio (SP). A proposta é avaliar as características das demandas do segmento florestal na região e, a partir desse estudo, propor estratégias de mercado, de comercialização, e sugerir meios de atendimento para diversos segmentos de empresas (MEs, MEIs, EPPs e produtores rurais) que compõem a cadeia produtiva de restauração florestal de corredores de conectividade.

"O projeto tem como objetivo final propor meios de conectar os fragmentos florestais da Mata Atlântica no oeste de São Paulo. É importante mobilizar todos os setores para isso. Nessa fase do projeto, queremos avaliar em conjunto com todos como é o mercado regional da restauração florestal e como ele pode impulsionar a economia local, quais as tendências para o futuro e os principais desafios deste segmento. Queremos, a partir disso, planejar um novo mercado mais promissor para a região, bom para o social, o econômico e o ambiental", afirma Simone Tenório, coordenadora do projeto pelo IPÊ.

A espécie símbolo do Estado de São Paulo, o mico-leão-preto (Leontopithecus chrysopygus) é parte agora de uma coleção especial de selos dos Correios.

Junto com outras espécies - as larvas do besouro (Pyrearinnus termitilluminans), que proporcionam o fenômeno conhecido como Cupinzeiro Luminoso, e a Preguiça-de-Coleira (Bradypus torquatus Ill), a imagem do mico agora é opção para envio de correspondências.

A fotografia que estampa o selo é da bióloga Gabriela Cabral Rezende, pesquisadora do IPÊ, que realiza estudos sobre a espécie há 35 anos, no Pontal do Paranapanema (SP), por meio do Programa de Conservação do Mico-Leão-Preto, trabalho reconhecido nacional e internacionalmente por meio de vários prêmios.

"Nós, brasileiros, precisamos conhecer mais a biodiversidade rica que nosso país possui. Só assim compreenderemos o real valor das nossas florestas e animais. O mico-leão-preto, por exemplo já foi considerado extinto da natureza e só existe no Brasil e numa pequena porção de Mata Atlântica de São Paulo. Sua conservação é fundamental para a vida da floresta - já que ele é um excelente dispersor de sementes, por exemplo e, consequentemente, a nossa vida, já que todos dependem da floresta para ter água, qualidade de clima e alimentos", explica Gabriela.

O selo estará disponível a partir do dia 23 de setembro, nas principais agências dos Correios.

O 29º Curso Internacional de Manejo de Áreas Protegidas, no Colorado, Estados Unidos, teve participação de duas pesquisadoras do IPÊ que atuam na Amazônia. Ao longo de 32 dias, Nailza Pereira Porto e Ilnaiara Souza, aprenderam mais sobre manejo e planejamento de áreas protegidas, governança, mecanismos de financiamento para áreas protegidas, turismo, concessões, manejo de visitantes, mudanças climáticas, entre outros temas atuais e importantes para a conservação e manejo de áreas protegidas.

"Além dos importantes temas para o nosso crescimento profissional, também trabalhamos durante o curso a parte pessoal. Começamos a desenvolver o nosso plano de liderança pessoal, comunitário-familiar e profissional para nos ajudar a melhorar a nossa abordagem em desafios atuais na conservação, além de nos ajudar a lidar com situações de conflito e, por fim, conseguir a colaboração e o consenso entre os atores envolvidos", comenta Ilnaiara, que atua com Monitoramento Participativo de Biodiversidade, no Acre. No monitoramento, realizado em parceria com o ICMBio, membros de comunidades, gestores e técnicos do IPÊ desenvolvem planejamentos para levantamento e avaliação da biodiversidade para conservação.

"Em meu caso, que trabalho com o envolvimento da comunidade local, acredito que posso trabalhar de uma forma melhor o empoderamento e a governança deles sobre o monitoramento, os dados, os resultados e a aplicabilidade desses resultados para melhorar o manejo e a gestão da área em que eles vivem. Para além do monitoramento, também podemos desenvolver o potencial turístico das áreas em que trabalhamos, com um melhor planejamento e envolvimento das comunidades locais", afirma. 

Com atuação no baixo Rio Negro, especificamente em projetos de Turismo de Base Comunitária, Nailza destaca o potencial do aprendizado no dia a dia. "Os novos conceitos, as metodologias e as ferramentas para o planejamento do uso público em Áreas Protegidas, com certeza, irão contribuir para o desempenho do meu trabalho por meio do IPÊ. Foi uma experiência muito enriquecedora e inspiradora", diz.

A participação no curso foi possível devido ao apoio da Universidade Estadual do Colorado e o financiamento da bolsa de estudos pela USAID -  US Agency for Internacional Development e US Forest Service.