Últimas Notícias

Últimas Notícias

Neste mês, 10 alunos de pós-graduação e dois professores da Universidade do Colorado Boulder (Estados Unidos) estão reunidos com alunos de pós-graduação e dois professores da UEA - Universidade Estadual do Amazonas no curso Sustentabilidade no Brasil: Uma Abordagem Interdisciplinar de Desenvolvimento socioambiental, Governança e Liderança nas Florestas do Brasil, que teve início na Amazônia. Na sequência, na semana de 23/05, os alunos internacionais vão participar do módulo que será desenvolvido na Mata Atlântica, no sul da Bahia, junto com alunos e professores da UESC - Universidade Estadual de Santa Cruz.  O objetivo é compreender os desafios, avanços e oportunidades da sustentabilidade no Brasil. Toda ação conta com coordenação da equipe da ESCAS/IPÊ.

Colorado Amazonia 2022

Trata-se de uma parceria de mais de 10 anos da ESCAS/IPÊ – Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade com a Universidade do Colorado Boulder (Estados Unidos). Após dois anos sem aulas presenciais, devido à pandemia, a parceria retornou, começando pelo Amazonas.

Os estudantes terão conhecimento das políticas, dos programas e de iniciativas que estão se esforçando para alcançar os objetivos de conservação e desenvolvimento sustentável, incluindo o fomento à bioeconomia sustentável. 

 

Colorado Amazonia 2022 2

O curso é acompanhado por tradutores estudantes, que ajudam a preencher a lacuna entre os idiomas. Dessa forma, estudantes norte-americanos e brasileiros estão trabalhando em conjunto com foco em cinco temas-chave:  Conservação e Restauração Florestal; Sistemas alimentares; Governança; Bioeconomia; e Desenvolvimento Sustentável. 

Nos primeiros dias, o grupo esteve em Manaus onde conheceu o INPA - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e o MUSA – Museu da Amazônia. Na semana de 16 de maio, a programação inclui viagem de ônibus até Novo Airão/AM, chegando lá vão descer o Rio Negro no barco Maíra do IPÊ para visitar comunidades indígenas e tradicionais rurais, localizadas no Mosaico de Áreas Protegidas do Baixo Rio Negro. O objetivo é proporcionar que os estudantes tenham acesso a diferentes pontos de vista de pessoas comprometidas com o desenvolvimento sustentável aliado à conservação da floresta. 

No fim da semana, cada grupo de alunos apresentará as descobertas e reflexões sobre a região. Na sequência, o grupo da Universidade do Colorado Boulder (Estados Unidos) seguirá para a Mata Atlântica, no sul da Bahia, em que trabalhará em conjunto com alunos e professores da UESC - Universidade Estadual de Santa Cruz, com o objetivo de conhecer o panorama, os avanços, desafios e oportunidades na região.  

Em termos gerais, biodiversidade significa a variedade de vida existente no planeta. É a riqueza e diversidade de espécies do mundo natural. Isso também pode ser traduzido como a variabilidade genética, que faz do mundo um lugar tão rico e diverso. Dentre essa riqueza toda, estão seres microscópicos, insetos, plantas, animais... inclusive os seres humanos! Sim, por mais que estejamos tão desconectados da natureza, nós, humanos, também somos parte da biodiversidade do planeta. 

Materia2 Nurseries gerao de renda credito Laurie Hedges

E por que ela é tão importante a ponto de ter um dia pra celebrar? A data foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) para despertar conscientização a respeito da importância da diversidade biológica e sua conservação em todos os ecossistemas. Isso porque sem essa diversidade, tudo o que conhecemos e utilizamos para que a nossa vida seja viável fica muito difícil de existir.

Graças à biodiversidade que é possível ter agricultura, medicamentos, roupas, materiais diversos. Quer exemplos? São árvores que nos fornecem fibras vegetais, madeira e papel. São animais e plantas que fornecem substâncias para a cura de diversas doenças. Além disso, a variedade de microorganismos no solo e sua riqueza, possibilita alimentos em quantidade e qualidade. Por mais que existam tecnologias, materiais sintéticos e meios não naturais de produção, é impossível viver e ter qualidade de vida sem essa biodiversidade natural.

Entretanto... (sim, tem sempre um porém!)

As ações do homem estão afetando a biodiversidade em uma velocidade impressionante. Pesquisas já confirmaram que estamos caminhando em um ritmo mil vezes maior de destruição e de extinção de espécies dessa biodiversidade, do que se ela acontecesse de forma natural. Perdemos seres vivos que sequer foram pesquisados ou conhecidos pela ciência. E aqueles já conhecidos estão em constante risco. Quer um exemplo? No nordeste brasileiro, recentemente foi lançada a lista vermelha das espécies do Ceará e ali dois animais que são estudados pelo IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas estão extintos: a anta-brasileira e o tatu-canastra. A destruição florestal e perda de espaços de vida (habitat), o uso indiscriminado de agrotóxicos e a caça ilegal estão entre as causas do desaparecimento desses animais.

Tatu canastra

A extinção de uma espécie é algo muito impactante para a vida de um ecossistema – a anta, por exemplo, tem uma grande função na floresta porque ela é uma jardineira: repõe plantas e árvores no ambiente a partir dos frutos e sementes que come, digere e deposita no solo. Perder uma anta é perder um agente que mantém a floresta viva!

Aquidauana MS Pantanal INCAB IPE Credito da Foto Joao Marcos Rosa

 

Clima e biodiversidade: ecossistemas saudáveis e clima equilibrado são fundamentais para o bem-estar humano 

Apenas pelas questões mencionadas, perder biodiversidade já seria um problema grande, mas essa destruição também agrava um dos maiores desafios que enfrentamos hoje, a crise climática. Você já sabe que com aquecimento do planeta, eventos extremos têm ocorrido com muito maior frequência: períodos de secas e chuvas fora de época e mais prolongados; falta de água em vários lugares; falta de alimentos e de recursos diversos importantes para a sobrevivência de populações. Isso tem aprofundado as diferenças sociais e econômicas, o que piora a qualidade de vida dos seres humanos. Hoje vemos de forma cada vez mais frequente pessoas perdendo suas casas, precisando migrar para outros lugares; aumento no custo dos alimentos, medicamentos e energia; entre outros efeitos das mudanças climáticas.

Area em restauracao proxima a represa atibainha Credito Cibele Quirino Projeto Semeando Agua

Vamos olhar de forma prática para isso? No mercado ou na feira livre, a oferta de produtos da estação tem caído porque a produção de muitos alimentos tem sido afetada ou pela falta de chuvas ou pela grande intensidade dela. Quando o produto existe em baixa quantidade, o preço dele aumenta. A falta de água também tem afetado nosso bolso, deixando a energia mais cara por períodos mais longos durante o ano. Já notou?

Clima e biodiversidade caminham juntos e são interdependentes. As florestas e toda a sua teia de vida são responsáveis por manter o clima estável, gerando chuvas - que impactam as produções agrícolas e armazenando carbono, elemento que impacta no aumento do aquecimento global. A biodiversidade existente em ambientes florestais, savanas ou manguezais nos faz mais resilientes aos impactos das mudanças climáticas. 

Na Amazônia, cerca de 5 milhões de quilômetros quadrados fazem isso e tentam manter o equilíbrio natural que se reflete em várias regiões do Brasil.

quelonios

Outros biomas como Mata Atlântica, Pantanal e Cerrado também têm essas e outras funções que completam a dinâmica da vida, impactando o Brasil e o mundo.

Falando em clima e biodiversidade, é importante lembrar também que estamos vivendo ainda os efeitos sociais e econômicos de uma pandemia causada pelo desequilíbrio ambiental gerado pela degradação ambiental sem precedentes. Há pesquisas que dizem que doenças como a Covid-19 podem se tornar mais frequentes do que gostaríamos, porque ela é efeito da relação nada sustentável do homem com o ambiente natural. 

Um sistema em equilíbrio é bom para todo mundo. Mas como mudar esse cenário que parece tão instável? 

É importante primeiro perceber a interdependência entre biodiversidade, florestas e clima. Em segundo lugar, é necessário que estejamos atentos aos cuidados com as florestas e a biodiversidade, apoiando iniciativas que coloquem a conservação dos ambientes naturais como prioridade. Isso passa pelo apoio a marcas e empresas sócio/ambientalmente responsáveis, pela cobrança de governantes e órgãos públicos pela responsabilidade de zelar por esse bem comum, pelo consumo mais responsável e pelo apoio a causas que trabalham por essas mudanças.
 
Mico leao preto Pontal do Paranapanema by Gabriela Cabral Rezende WEB 1

Empresas, sociedade civil e governos atuando juntos, têm potencial de desenvolver mecanismos para alcançar as mudanças necessárias, gerando mais segurança às pessoas. Que mudanças são essas? De acordo com a ONU: conservar e restaurar ecossistemas, combater e reverter a degradação e empregar planejamento de paisagem para evitar, reduzir e mitigar mudanças no uso da terra; promover uma transição para a agricultura, pesca e sistemas alimentares sustentáveis; transformar em verdes as infraestruturas nas cidades e empregar soluções baseadas na natureza, reduzindo ou até eliminando o uso de combustíveis fósseis, mudando as matrizes energéticas.

Algumas mudanças estão acontecendo, mas em ritmo mais lento que o necessário. Aos cidadãos cabe atenção e acompanhamento para que possamos sempre que estiver ao nosso alcance, contribuir para essa transição urgente. 

Quer apoiar ações pela biodiversidade? Faça uma doação.

Gabriel Massocato, biólogo e pesquisador do Programa de Conservação do Tatu-canastra, desenvolvido pelo Instituto de Conservação de Animais Silvestres (ICAS) e o Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ), recebeu nesta sexta-feira (13 de maio), o prêmio internacional “Future for Nature Awards 2022”, na Holanda, que reconhece e apoia jovens conservacionistas comprometidos com a conservação de espécies animais e vegetais. Neste ano, a premiação registrou a inscrição de mais de 250 candidatos.   

Apaixonado pela vida selvagem desde criança, Gabriel é formado em biologia pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), localizada na cidade de Dourados, a cerca de 230 quilômetros da capital sul-mato-grossense, e desde 2012 – quando se voluntariou no Programa de Conservação do Tatu-canastra, tem se dedicado à conservação da vida selvagem, assumindo o compromisso de salvar o maior dos tatus no Brasil. O tatu-canastra é considerado o engenheiro do ecossistema, já que desempenha um importante papel no meio ambiente, pois, suas tocas servem de abrigo para muitos outros animais, mas ele infelizmente está ameaçado de extinção pela perda de habitat e fragmentação da natureza.  

 

Gabriel Massocato recebendo o prêmio Future for Nature

“Essa espécie ainda é pouco conhecida pela nossa sociedade e se nada for feito a curto e médio prazo, ela pode desaparecer das principais áreas naturais do Brasil. Por isso, acredito que através das pesquisas, da conscientização e realizando um trabalho em conjunto com as comunidades locais, nós podemos unir esforços e buscar soluções inovadoras para a conservação e tornar o tatu-canastra um embaixador da biodiversidade”, disse Gabriel. 

Com relação ao prêmio, o biólogo ressalta que além da premiação em dinheiro – que será destinada à pesquisa pela conservação da espécie, a maior conquista deste reconhecimento é a oportunidade de celebrar a ciência e a importância mundial que foi concedida a um projeto brasileiro. 

"Esta premiação vai possibilitar a ampliação dos nossos esforços para proteger o tatu-canastra, através da criação de Unidades de Conservação, que tem o objetivo de evitar a extinção iminente da espécie e organizar expedições de campo para estudar e monitorar esses animais e o seu habitat. Além disso, será necessário continuar estabelecendo parcerias com pesquisadores, proprietários rurais, empresas, comunidades locais e governos em prol da conservação deste e de outros animais que são impactados direta ou indiretamente pela presença do tatu-canastra”, explicou o biólogo. 

Atuação no Programa de Conservação do Tatu-canastra 

Com mais de 10 anos de trabalho no projeto que teve início em 2010 e que hoje é realizado em diversos biomas da América do Sul, Gabriel ajudou a conduzir as pesquisas de longo prazo no Pantanal, onde foram identificadas as necessidades biológicas e ecológicas do tatu-canastra e também auxiliou no treinamento de mais de 80 voluntários conservacionistas. 

De acordo com Arnaud Desbiez, presidente do ICAS e fundador do projeto, Gabriel participou da criação do Plano de Ação Nacional do Tatu-canastra e também atuou na formação de uma brigada de incêndio comunitária, que está preparada para proteger uma área de 1.500 km2 do Pantanal da Nhecolândia. 

“Ver alguém que iniciou como voluntário em nosso projeto e que hoje ocupa a posição de coordenador do projeto no Pantanal é uma imensa alegria. Além disso, Gabriel se tornou um grande amigo e um profissional essencial na execução de muitas outras atividades do ICAS e é muito querido e respeitado por toda a nossa equipe e nós não poderíamos estar mais contentes e honrados com esse merecido reconhecimento” ressaltou Arnaud. 

Future for Nature 

Em 2008, Patrícia Medici, coordenadora da INCAB-IPÊ, presidente do Grupo de Especialistas em Anta da IUCN/SSC, foi uma das primeiras vencedoras do Prêmio FFN. A INCAB-IPÊ, projeto liderado por Patrícia, conta com o maior banco de dados sobre a anta-brasileira no mundo e atua pela conservação da espécie reconhecida pelos cientistas como jardineira das florestas, pela contribuição expressiva com o próprio ambiente em que vive. Ou seja, onde tem semente que passou pelo trato digestivo do animal, tem semente pronta para germinar.  

Em 2019, a bióloga Fernanda Abra foi uma das vencedoras pelo trabalho com Ecologia de Estradas. Fernanda atua como consultora na INCAB-IPÊ - Iniciativa Nacional para a Conservação da Anta Brasileira, do Instituto de Pesquisas Ecológicas e no Projeto Bandeiras e Rodovias (IPÊ e ICAS - Instituto de Conservação de Animais Silvestres).  

Sobre o ICAS 

O ICAS – Instituto de Conservação de Animais Silvestres é uma organização sem fins lucrativos criada em 2010, com o objetivo de oferecer suporte para iniciativas dedicadas à conservação da biodiversidade, mais especificamente do tatu-canastra e do tamanduá-bandeira e que busca produzir conhecimentos baseados na ciência e na pesquisa, além de promover a coexistência entre o ser humano e a vida silvestre, através da elaboração de ações e de políticas públicas eficientes e sustentáveis em defesa da vida. 

Com projetos desenvolvidos nos biomas Pantanal, Mata Atlântica e Cerrado, o ICAS possui uma equipe multidisciplinar que atua na tomada de decisão baseada no diálogo, considerando o envolvimento das partes interessadas (stakeholders) e a inclusão e participação das comunidades locais através da inovação, capacitação, educação e comunicação, além de desenvolver ações em parcerias com outros pesquisadores e instituições públicas e privadas. Saiba mais em https://www.icasconservation.org.br/ 

Sobre o IPÊ  

O IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas é uma organização brasileira sem fins lucrativos que trabalha pela conservação da biodiversidade do país, por meio de ciência, educação e negócios sustentáveis. Fundado em 1992, tem sede em Nazaré Paulista (São Paulo), onde também fica o seu centro de educação, a ESCAS - Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade.  

Presente nos biomas Mata Atlântica, Amazônia, Pantanal e Cerrado, o Instituto realiza cerca de 30 projetos ao ano, aplicando o Modelo IPÊ de Conservação, que envolve pesquisa científica de espécies, educação ambiental, envolvimento e mobilização comunitária, conservação de habitats e da paisagem e apoio à construção de políticas públicas. Além de projetos locais, o Instituto também implementa trabalhos em diversas regiões, seguindo os temas Áreas Protegidas, Áreas Urbanas e Pesquisa & Desenvolvimento (Capital Natural e Biodiversidade).  

O IPÊ é responsável pelo plantio de mais de 3 milhões de árvores na Mata Atlântica, contribui diretamente para a conservação de seis espécies de fauna, realiza educação ambiental e capacitação para 12 mil pessoas por ano, em média. Os projetos beneficiam 200 famílias com ações sustentáveis e conhecimento sobre conservação ambiental. 

Para o desenvolvimento dos projetos socioambientais, a organização conta com parceiros de todos os setores e trabalha como articulador em frentes que promovem o engajamento e o fortalecimento mútuo entre organizações socioambientais, iniciativa privada e instituições governamentais. https://www.ipe.org.br 

Confira como foi a cerimônia: Livestream Future For Nature Award Event 2022

A equipe do IPÊ que atua no Pontal do Paranapanema recebeu nos primeiros meses deste ano a visita de uma das fundadoras do Ecosia - mecanismo de pesquisa na internet desenvolvido como negócio social, que transforma buscas na internet em doação de árvores reais. Os projetos selecionados pelo Ecosia como destino das doações aliam restauração florestal ao empoderamento das comunidades e com o planeta.

“O IPÊ é um parceiro perfeito para apoiar. É gratificante ver os técnicos do IPÊ, viveiristas e profissionais das empresas de plantio unidos em prol da restauração e como esse trabalho representa fortalecimento das comunidades. O trabalho do IPÊ com o Mapa dos Sonhos é muito inspirador e precisa ser sempre mostrado ao mundo, destaca Fátima Gonzáles Torres, que atua também como produtora e estrategista de conteúdo/ vídeo no Ecosia, que tem sede Berlim/Alemanha.  

 

Fatima Ecosia 2022

Durante a visita ao extremo Oeste do estado de São Paulo, Fátima e a equipe registraram uma série de imagens que revelam o trabalho realizado a partir das doações do Ecosia, parceiro do IPÊ desde 2019. As buscas dos usuários já possibilitaram o plantio de 836 hectares (cerca de 836 campos de futebol) com mais de 1,5 milhão de árvores nativas da Mata Atlântica da região. Com as imagens captadas, Fátima também mostra na prática ao usuário do Ecosia, as transformações a partir das buscas na internet. “Minha expectativa foi superada ao presenciar claramente o tripé: condições climáticas, biodiversidade e a comunidade embutido no Mapa dos Sonhos. Nessa visita, aprendi muito com o IPÊ e esse aprendizado será compartilhado com outros projetos”. O IPÊ já plantou na região mais de 5 milhões de árvores, incluindo o maior corredor já restaurado na Mata Atlântica com 2,4 milhões de árvores.  

Ecosia equipe Fatima

 

Laury Cullen, coordenador de projetos e pesquisador do IPÊ, destaca que a Ecosia é uma instituição consolidada no mercado internacional, está entre as cinco maiores nesse formato de “clique árvores”. “É uma organização presente que visita regularmente as áreas de plantio financiada por eles, no Pontal. Posso afirmar que IPÊ e Ecosia construíram uma relação de confiança. Tanto é que a parceria tende a crescer, pois a organização alemã pretende ampliar investimentos em áreas de plantio com o IPÊ”, pontua. 

Plante árvores com as suas buscas na internet sem gastar nada

Para a Turma 2022, o Mestrado Profissional em Conservação da Biodiversidade e Desenvolvimento Sustentável oferece, até o momento, 5 bolsas de estudo, cobrindo todo o período do curso (2 anos). Interessados têm até 29 de julho às 17:00 para realizar a inscrição e concorrer a uma vaga.   

- 2 bolsas de estudo do WWF/EUA - Programa Russel Train/Education For Nature (EFN).

Uma das bolsas cobre 100% do valor do curso e é destinada a um candidato proveniente dos estados da Amazônia Legal, ou países da Amazônia Andina.

Já a segunda bolsa de estudo, subsidia 40% do valor da mensalidade, é destinada a quem desenvolverá o Trabalho de Conclusão sobre os temas relacionados no edital, como: Conservação de ecossistemas e restauração para proteger, restaurar e evitar a degradação da biodiversidade; Justiça socioambiental para promover o respeito aos direitos socioambientais; Envolvimento da sociedade em estilos de vida sustentáveis, e Economia verde para desenvolver soluções que demonstrem que é possível atingir desenvolvimento econômico sem impactos ao meio ambiente e respeitando os direitos das pessoas. 

- 3 bolsas internas da ESCAS, de 50% da mensalidade. Podem concorrer a essas bolsas, qualquer candidato que não esteja concorrendo às bolsas do WWF.

Confira o edital e saiba mais sobre