Últimas Notícias

 

O IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas leva à UMAPAZ, durante a Virada Sustentável, um dia inteiro de atividades gratuitas para quem quer saber mais sobre nossos desafios socioambientais. Venha passar um dia divertido e de muito aprendizado.

Dia 24 de Agosto, a partir das 10h
UMAPAZ
Av. Quarto Centenário, 1268 - Vila Mariana, São Paulo 

1 - Game Sustentabilidade em Jogo: o Sistema Cantareira na sua vida
10h00

Em São Paulo tratar de sustentabilidade passa necessariamente pela questão do Sistema Cantareira que responde pelo abastecimento de água de 7,6 milhões de pessoas na capital e na região metropolitana de São Paulo.
A água do Sistema Cantareira é destinada para o abastecimento de moradias e de empresas da região metropolitana de São Paulo, além das regiões de Campinas e de Piracicaba.

Embora seja enorme em capacidade, o sistema está longe da sua plena capacidade e a população ainda sofre grandes riscos de escassez de água. Com o jogo, será possível para os participantes conhecerem a realidade deste sistema de abastecimento, seus desafios, e propor soluções. Além disso, é uma maneira para que, mesmo aqueles que não utilizam desta água no seu dia-a-dia, compreendam o processo de produção e distribuição da água nas cidades e, claro, despertar a consciência para seu melhor uso. 

O jogo é aberto à participação de jovens a partir de 15 anos e adultos interessados no tema.

2 - Negócios Socioambientais: Palestra e roda de conversa
13h00

Nesta roda de conversa, teremos a palestra Negócios Socioambientais de Sucesso, com o empreendedor Fabio Takara, seguida de uma discussão com os participantes sobre como é possível gerar impacto positivo na sociedade por meio de um negócio socioambiental. Fabio é formado no MBA Gestão de Negócios Socioambientais do IPÊ e fundador da Firgun, uma startup que mescla crédito acessível a microempreendedor e investimento para pessoa física. Após palestra, os interessados poderão saber mais sobre o curso e como participar.

3 - Game Sustentabilidade em Jogo: a Amazônia também fica em São Paulo 
14h30

O que a cidade de São Paulo tem a ver com a Amazônia? Neste jogo os participantes vão entender a conexão entre o maior bioma do Brasil e o seu cotidiano. A cada passo no jogo de tabuleiros, serão desafiados a descobrir um sabor, um cheiro, uma planta ou animal da Amazônia, mas também desafiados a soluções para que os recursos naturais da Amazônia sejam conservados. O jogo também pretende mostrar para os participantes a riqueza dos povos que vivem ali na floresta e as inovações que essa área tão relevante pro país e para o mundo trazem para as populações.

O jogo é aberto à participação de jovens a partir de 15 anos e adultos interessados no tema.

 

 

Entre 23 e 26 de julho, IPÊ, ICMBio, Ecoporé e UNIR realizaram o curso para o Protocolo Complementar para Monitoramento do Efeito da Exploração Madeireira sobre os Mamíferos e Aves da Floresta Nacional do Jamari, em Itapuã D’Oeste (RO), na Floresta Nacional do Jamari (Flona Jamari). Ministrado na sede da Flona, com atividades práticas em trilhas, o curso contou com 13 representantes, dentre eles, comunitários residentes na Vila da Mineração e moradores do município de Itapuã D’Oeste. A organização e mobilização foram realizadas pelo ponto focal da Unidade de Conservação e da equipe local do IPÊ.

Os protocolos são roteiros metodológicos utilizados para auxiliar o monitoramento da biodiversidade em Unidades de Conservação (UCs) da Amazônia. Neste caso, o curso promoveu conhecimentos sobre como monitorar mamíferos e aves. Essa é uma ampliação das ações de monitoramento na Flona, que passa a aplicar, além dos protocolos básicos de monitoramento da biodiversidade (mamíferos de médio e grande porte, aves cinegéticas, borboletas frugívoras e plantas lenhosas) o protocolo complementar (local), com a instalação de armadilhas fotográficas nas áreas de conservação e concessão florestal. 

Armadilhas – Os alunos contaram com aulas sobre conservação da biodiversidade, sobre a Flona, conduta durante os trabalhos, procedimentos de segurança em campo, orientação espacial com o uso de gps e manuseio de armadilhas fotográficas. Dessa forma, os participantes estão mais preparados para a execução do protocolo complementar. Com as armadilhas é possível compreender melhor os efeitos da exploração madeireira sustentável no grupo dos mamíferos de médio e grande porte e aves.

Para Deusiele Diniz, de Itapuã, a didática do curso foi o que mais chamou atenção. "O melhor curso com as melhores pessoas, equipe 100% competente, atenciosa e dedicada, aprendi de uma forma fácil, gostosa e divertida a tudo que foi me passado”, afirma. Já a aluna Aracélia Maia destacou o conhecimento adquirido: “o curso me proporcionou conhecimento e principalmente trabalho em equipe, didática clara e objetiva. Equipe maravilhosa de todos os instrutores". A superação de desafios foi um ponto positivo para a aluna Andreia Ferreira. “Para mim foi uma experiência e tanto. Consegui vencer minhas próprias dificuldades e expectativas. Amei fazer parte dessa equipe, todos receptivos e excelentes monitores.”, disse.

O projeto de Monitoramento Participativo da Biodiversidade em Unidades de Conservação da Amazônia é desenvolvido pelo IPÊ em parceria com o ICMBio, com apoio de Gordon and Betty Moore Foundation e USAID.

 

O Projeto de Monitoramento Participativo da Biodiversidade em Unidades de Conservação na Amazônia faz segunda chamada para seleção de pessoa jurídica (PJ) para desenvolver um sistema de informação na web para permitir a entrada, armazenamento, padronização e disponibilização de dados primários de biodiversidade coletados no âmbito dos processos de licenciamento ambiental. O sistema está sendo chamado de LAF-SISBIO.

Confira o Termo de Referência

No Relatório de Atividades do IPÊ você pode conferir tudo sobre nossas ações em 2018 pela conservação da biodiversidade brasileira.

Essa é uma das formas de mostrar à sociedade o impacto do nosso trabalho, por meio dos dados e das histórias aqui contadas por aqueles que participam diretamente dos nossos projetos. Alunos da ESCAS, pesquisadores, parceiros institucionais, comunidades... todos eles estão aqui contando como o IPÊ faz diferença nas suas vidas e como isso contribui para a conservação da biodiversidade, razão de ser da nossa instituição. Conheça essas pessoas aqui em videos, fotos e textos. 

Aqui também você tem acesso aos nossos dados financeiros, com todas as informações pertinentes ao uso dos recursos captados para o desenvolvimento de trabalhos que, em 2018, chegaram gratuitamente a mais de 14 mil pessoas. Você também pode conferir todos aqueles que confiaram no nosso potencial e expertise de mais de 27 anos e nos apoiaram em 2018. São empresas, institutos nacionais e internacionais, organizações da sociedade civil e pessoas físicas. Parceiros, financiadores e doadores que compreendem a importância do investimento na conservação socioambiental para a garantia de uma vida de qualidade para todos.

O Relatório de Atividades está dividido em Destaques de 2018Projetos por LocalidadeProjetos TemáticosParcerias e Negócios Sustentáveis e Educação (Escola ESCAS). Um resumo de nossas ações também está disponível em inglês

 

Arte e Diagramação: Letícia Laet (Laet Comunicação) 
Texto e coordenação: Paula Piccin
Digital: Karen Tada e Renata Costa (Bem Comunicar) 
Tradução: Mark Ament (Ament Traduções)

 

 

O IPÊ e o CEPAM abriram vaga para profissional que vai auxiliar as organizações na implementação dos protocolos de monitoramento de pesca em diferentes Unidades de Conservação da Amazônia. A vaga requer que o profissional tenha formação e/ou experiência na área de biologia, ecologia, engenharia de pesca ou áreas a fins, de preferência nível Mestrado. Desejável ter habilidade com planilhas eletrônicas e conhecimento básico de banco de dados. Ter experiência com recursos pesqueiros na Amazônia, especialmente em atividades de monitoramento participativo, manejo de pirarucu e apresentar habilidade para articulação com pescadores e comunidades tradicionais, bem como familiaridade com a logística de deslocamento de campo na região amazônica. Ter disponibilidade para viajar para as áreas a serem monitoradas e potencialmente trabalhar no final de semana quando for necessário para logística de trabalhos em campo. Disponibilidade para residir em Manaus-AM é altamente recomendável.

Acesse o Termo de Referência