Últimas Notícias

Últimas Notícias

O Estado de São Paulo abrigou a WBio2022 de 7 a 9 de junho, nas Sedes da SIMA e da CETESB, na capital paulista. Pesquisadores de universidades, institutos e organizações, além de representantes governamentais e não-governamentais como o IPÊ, estiveram presentes em evento híbrido, que reuniu mais de 800 pessoas, de 25 países.

O objetivo do encontro, promovido por uma equipe de organização liderada pelo Secretariado da própria CDB, com vários parceiros, a exemplo do Governo do Estado, da GIZ, do projeto apoiado pela UE – Post 2020 Biodiversity Framework, da ACIA, do ICLEI e do Regions4, foi fomentar a reflexão crítica para a questão da biodiversidade e das práticas locais e subnacionais que tenham potencial de serem replicadas. Com as discussões levantadas no evento, a ideia é facilitar o acesso a recursos e parcerias de fontes diversas, democratizar conhecimentos e envolver atores de múltiplos níveis da cadeia de biodiversidade a fim de consolidar o Marco Global de Biodiversidade (GBF, em inglês), até 2030.

WhatsApp Image 2022 06 13 at 14.39.16O Marco Global para a Biodiversidade pós 2020 direciona a governança e a implementação dos objetivos da CDB, a Convenção sobre Diversidade Biológica, um tratado da Organização das Nações Unidas e um dos mais importantes instrumentos internacionais relacionados ao meio ambiente.

O GBF é um plano com metas para a conservação, o uso sustentável e a repartição de benefícios da biodiversidade. Atualmente a proposta é composta por 21 metas para 2030 relacionadas à visão de que a biodiversidade deve ser valorizada, conservada, restaurada e utilizada de forma inteligente até 2050. 

“Nosso trabalho há 30 anos está relacionado à conservação da biodiversidade que, ano a ano, vem se perdendo no mundo. Precisamos compreender que a perda de diversidade de vida afeta tudo: de habitats ao clima. Nessa reunião, buscou-se traçar alguns caminhos de base também para propostas que serão debatidas na COP15, da Biodiversidade˜, comenta Simone Tenório (foto), coordenadora da iniciativa pelo IPÊ, que participou do encontro junto com Cristina Tófoli, pesquisadora de biodiversidade do IPÊ.

Ao longo do evento, um amplo leque de projetos foi apresentado que indicam caminhos que podem ser seguidos para a conservação da biodiversidade, além de dados e propostas para aprimorar os esforços de conservação em todo o mundo. Simone apresentou os projetos do IPÊ que existem há décadas e que já consolidaram transformações relevantes em regiões da Mata Atlântica e Amazônia, envolvendo pesquisa científica, educação, participação social, restauração florestal e políticas públicas, ações que fazem parte de um modelo de conservação.

Esteve presente também a Secretária Executiva da Convenção sobre Diversidade Biológica da ONU, maior representante da agenda global na área, Elizabeth Maruma Mrema que, em uma participação online, ressaltou a importância da união dos governos locais e subnacionais em prol da biodiversidade.

“Estamos aqui reunidos para começar a transformar as políticas públicas e estruturar programas para melhora dos ecossistemas. A Convenção sobre a Biodiversidade ainda é a única que tem um plano de ação para as cidades e governos estaduais. Estes são os executores das diretrizes e programas de nível nacional e internacional. O WBio2022 é o início do processo de alavancagem da contribuição destes atores para o quadro estratégico da Convenção.”

Oliver Hillel, representante da CDB durante todo evento, responsável pelo envolvimento de Estados, Regiões e Cidades no trabalho da Convenção e pela integração da biodiversidade nos setores econômicos e desenvolvimento, afirmou que os governos subnacionais e locais não são separados dos governos da convenção, pois fazem parte dos mesmos países e têm uma função de representar e fazer as sinergias entre todos os envolvidos.

“Os 196 governos nacionais da Convenção têm um desafio enorme. Nós precisamos da natureza como parte do nosso desenvolvimento econômico. A nossa ambição nesse momento é de ajudar os governos e a ONU a fazerem essa integração horizontal, por meio dos diversos setores de um governo. Ao mesmo tempo devemos concretizar a governança em todos os níveis, entre esses 196 países, que possuem governanças características.”

Atingir esse objetivo será possível, segundo ele, por meio de cinco temas que foram discutidos no decorrer do evento. São eles: apoio à governança; cidades; serviços ecossistêmicos; áreas protegidas e outros instrumentos de conservação; e ciência.

Com o evento, mais que um documento contendo propostas que serão encaminhadas pelos parceiros aos demais atores responsáveis pela implementação da CDB, iniciou-se um processo fundamental para os próximos anos, o WorldBio (WBio).

O WBio representa um esforço coletivo global visando realizar ações concretas para implementação da CDB até 2030, gerado a partir de territórios locais e subnacionais, em parceria com outros territórios sustentáveis – a exemplo de reservas da biosfera, territórios tradicionais e regiões metropolitanas – e com outros principais players – governos federais (Partes da Convenção), populações indígenas e comunidades locais, jovens, mulheres, ciência, empreendedores e demais organizações não-governamentais. Apoiando, neste formato, as ações de advocacy sobre a importância de cada parceiro e a elaboração de documentos de referência.

“São mais de 50.000 governos subnacionais e mais de 1 milhão de territórios locais, segundo o Secretariado da CDB. Junto aos demais chamados ´atores não-Partes´, promovem mais de dois terços das ações de implementação da própria Convenção da ONU. Nosso compromisso ético para esta década sinaliza que façamos mais este esforço estratégico somando forças com todos que caminham nesta estrada, assumindo o contexto dos ODS, atendendo ao chamado da própria ONU ao consolidar os anos que virão até 2030 como a Década da Ação. Ou seja, as palavras precisam urgentemente ganhar vida. O WBio representa este esforço, e todos estão convidados” – afirma Paul Dale, assessor técnico em biodiversidade da SIMA.

 A ação promovida pelo IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas em parceria com o ICMBio, fechou temporada 2022 dos ‘Encontros dos Saberes’ sobre a conservação da biodiversidade na Amazônia,

Moradores do município de Pedra Branca do Amapari, no Amapá, participaram, no último sábado, 11/06, da nona edição da temporada 2022 dos Encontros dos Saberes. A reunião, promovida pelo Projeto Monitoramento Participativo da Biodiversidade (MPB), do IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas, em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), debateu a conservação da biodiversidade do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque.

“O Tumucumaque foi a primeira unidade de conservação a sediar a iniciativa dos Encontros dos Saberes. Retornar para as comunidades do entorno dessa UC, discutindo os resultados realizados em quase uma década do projeto de monitoramento participativo tem uma importância enorme para todos nós que construímos o MPB. Pois, além de divulgar e de discutir de forma horizontal os resultados do monitoramento participativo realizado no território, esse momento também é uma excelente oportunidade de aproximar os moradores locais dessa unidade de conservação”, afirma Cristina Tófoli, coordenadora do projeto MPB.

ES Parna Tumucumaque Adison Ferreira 15

Crédito: Adison Ferreira/IPÊ

O evento, realizado no centro comunitário do bairro “Cai n'Água”, também reuniu estudantes e professores da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) e representantes da secretaria municipal de meio ambiente. Além do encontro principal, aberto a toda comunidade, o IPÊ também promoveu no dia anterior uma reunião menor, denominada de “Encontrinho dos Saberes”. A atividade, realizada na Câmara Municipal de Pedra Branca do Amapari, serviu como um alinhamento entre a gestão local do ICMBio, monitores locais e pesquisadores sobre os resultados das análises dos dados e as experiências de cada ator envolvido.

Na nona edição do Encontro dos Saberes, os participantes acompanharam de perto os resultados sobre o monitoramento participativo de plantas, aves, mamíferos e borboletas no Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque e debateram sobre as informações coletadas em oito anos de projeto.  Os resultados foram apresentados por monitores locais, pesquisadores do IPÊ e analistas ambientais da Coordenação de Monitoramento da Conservação da Biodiversidade (COMOB) e Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (CENAP), do ICMBio.

 ES Parna Tumucumaque Adison Ferreira 21

Crédito: Adison Ferreira/IPÊ

Monitor local da biodiversidade desde 2014, Jeckiel Cássio, afirma que o projeto mudou sua perspectiva sobre conservação ambiental. “Eu fico muito agraciado em saber que o trabalho que realizo no Tumucumaque ajuda a subsidiar as pesquisas do ICMBio sobre o monitoramento da biodiversidade. Antes de ser monitor eu não tinha a ideia do que era monitoramento e não sabia da importância do parque nacional para a manutenção da natureza, não apenas da comunidade com o entorno, mas da biodiversidade em geral, de todo o planeta. E essa troca de conhecimentos proporcionada pelo encontro dos saberes só reforça essa minha visão”.

Para Darlison Andrade, gestor da COMOB/ICMBio, a metodologia do encontro dos saberes é fundamental para inserir a participação social no Programa Nacional de Monitoramento da Biodiversidade. “A parceria com o IPÊ tem sido essencial na inserção do elemento participativo dentro do programa de monitoramento. A junção dos dados coletados no monitoramento com a troca de saberes científico e tradicional nos ajuda a pensar e encaminhar soluções a respeito da melhor forma de conservação dessas unidades de conservação. Acredito que no longo prazo muitos produtos ainda virão com essa parceria”, destacou.

Maior Parque Nacional do Brasil e uma das maiores áreas de floresta tropical protegidas do mundo, com uma área de 3,7 milhões de hectares, o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque está localizado na divisa dos estados Pará e Amapá e na fronteira com os países Suriname e Guiana Francesa. O território é uma das 18 unidades de conservação da Amazônia atendidas pelo IPÊ. O encontro também fechou os nove anos de atuação do projeto MPB na região Norte.

Monitoramento Participativo da Biodiversidade

O Projeto MPB apoia a implementação do Programa Nacional de Monitoramento da Biodiversidade (Monitora), do ICMBio, e conta com apoio da Fundação Gordon e Betty Moore, USAID, Programa ARPA - Áreas Protegidas da Amazônia - e mais de 20 instituições locais.

Troca de Saberes

Desde 2018, o IPÊ já realizou 16 encontros de saberes presenciais e dois seminários amplos envolvendo diversos parceiros da instituição como lideranças locais, gestores do ICMBio, monitores e pesquisadores.

Em 14 de Junho, o Brasil comemora o Dia dos Parques Nacionais, mesma data de criação do primeiro Parque Nacional, o Parque Nacional de Itatiaia, no Rio de Janeiro. A comemoração serve para chamar a atenção de um importante sistema utilizado para conservação da biodiversidade e de espaços naturais. 

O assunto é de interesse mundial. Em um recente documentário disponível na Netflix, com narração do ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. “Our Great National Parks”, ou “Os Parques Nacionais Mais Fascinantes do Mundo”, da  tradução para o português, mostra exemplares de todos os continentes. Da Patagônia Chilena à Ilha de Madagascar, na África, as  imagens de tirar o fôlego mostram não apenas a exuberância, mas também a importância dessas áreas para a humanidade.

Ainda que a série não conte com a participação do Brasil, nessa primeira temporada, nossos 74 Parques Nacionais não ficam atrás e de norte a sul do país, encantam quem tem a curiosidade de conhecer esses locais singulares: “É um céu invertido”. Essa é a impressão que a psicóloga Letícia Alves teve na visita que fez ao Parque Nacional das Emas, em Chapadão do Céu, Goiás, junto com seu marido, Denis Hyde. Os dois ficaram deslumbrados com o fenômeno da bioluminescência. “As larvas dos vagalumes ficam nos cupinzeiros e vão acendendo, aos poucos. Parece uma cidade iluminada, um céu ao contrário, é maravilhoso”, descreve Letícia sobre a caminhada noturna que fez no Parque das Emas.

Embora os homenageados sejam os Parques Nacionais, a celebração de fato é para a categoria “Parque”, uma classificação da UICN (União Nacional para a Conservação da Natureza), que engloba também as versões estaduais e municipais. Independentemente da esfera pública de gestão, todos têm em comum a presença de paisagens deslumbrantes, biodiversidade rica e o objetivo de promover o turismo. 

Famosos Parques Nacionais

O primeiro Parque Nacional do Brasil, Itatiaia, foi criado há 85 anos, em 1937, na divisa do Rio de Janeiro com Minas Gerais, sugestão do botânico Alberto Löfgren, já com o objetivo de conservar para estimular a pesquisa científica e a garantia de lazer natural à população.

Em seguida, em 1939, foi a vez do Parque Nacional do Iguaçu, na fronteira do Paraná com a Argentina, abrigo das Cataratas do Iguaçu, uma das Sete Maravilhas da Natureza e Sítio do Patrimônio Natural da Humanidade. O Instituto Semeia, uma organização sem fins lucrativos que busca a valorização de áreas protegidas e estimula o orgulho nacional brasileiro pelos parques, considera o Parque Nacional do Iguaçu um bom exemplo do turismo como uma importante ferramenta de conservação. Segundo a instituição, o parque recebeu mais de 2 milhões de turistas em 2018, no período de pré-pandemia, número três vezes maior que o de 1998, ano de concessão dos serviços de uso público do parque. Em 2022, com a realização do projeto da nova concessão, esse número deve crescer ainda mais: “Isso graças a uma série de iniciativas voltadas à conservação, mostrando que o aumento do ecoturismo e o ordenamento turístico podem ser importantes aliados nessa frente”, conta Fernando Pieroni, Presidente do Instituto Semeia.

No bioma Caatinga, no Piauí, o Parque Nacional da Serra da Capivara apresenta a história do Homo Sapiens em mais de 700 sítios arqueológicos preservados. A história dos brasileiros primitivos é contada pelas milhares de pinturas rupestres nas formações rochosas do parque, abertas ao público, mostrando que estas áreas são importantes não somente para a proteção da biodiversidade, mas também para que todos possam conhecer a história dos primeiros habitantes da região, seus hábitos e até espécies já extintas.

Só Parques?

Embora a estrela do dia sejam os Parques, é importante ressaltar que o Brasil têm milhares de Unidades de Conservação abertas à visitação, como Refúgios de Vida Silvestre, Reserva Extrativista, Floresta, Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), Monumentos Naturais e Reservas de Desenvolvimento Sustentável e até mesmo as Áreas de Proteção Ambiental. 

Na APA do Jalapão, que fica ao lado do Parque Estadual do Jalapão, no Tocantins, visitantes passeiam pelas dunas e admiram o capim dourado. A supervisora da APA do Jalapão, Rejane Nunes, lembra que, além da beleza, “o Cerrado é a caixa d'água do Brasil, e qualidade do ar, dos solos, das fontes de água e de alimentos estão garantidos também pela proteção das Unidades de Conservação do bioma”.

Como conhecer um Parque?

Uma boa opção para as pessoas que ainda não tiveram nenhum ou pouco contato com essas áreas tão espetaculares é a realização da ação Um Dia No Parque, comemorado daqui a pouco mais de um mês, em  24 de julho. Pelo quinto ano, o evento conta com uma programação especial em centenas de Unidades de Conservação brasileiras, incluindo Parques Nacionais. 

Pela página da ação na internet, visitantes podem pesquisar a Unidade de Conservação mais próxima de casa em todo o país por meio de um mapa interativo e filtros. Também dá para ficar por dentro da programação de atividades nas redes sociais do Um Dia No Parque. Unidades de Conservação podem se inscrever até dia 3 de julho para participar e propor atividades na maior mobilização pelas áreas protegidas do país pelo formulário neste link

Sobre a Coalizão Pró-UCs 

A Coalizão Pró-Unidades de Conservação é um grupo de instituições que se propõe a congregar empresas e organizações da sociedade civil comprometidas com a valorização e a defesa das Unidades de Conservação da Natureza. Integram a Coalizão: Rede Pró UC – Rede Nacional Pró-Unidades de Conservação, Fundação SOS Mata Atlântica, Conservação Internacional – CI Brasil, Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, Imaflora – Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola, FUNBIO – Fundo Brasileiro para a Biodiversidade, Instituto Semeia, WWF-Brasil, The Nature Conservancy – TNC Brasil, Imazon – Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia, IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas e a UICN-Brasil – União Internacional para a Conservação da Natureza.

No início de junho (01 a 03), a equipe do Projeto Navegando Educação Empreendedora na Amazônia, do IPÊ, apoiou o evento Cuide Bem do Seu Jardim, na Semana do Meio Ambiente, uma iniciativa do Projeto Gari (Grupo de Amigos Representando Ideias) que busca mostrar aos jovens a importância de cuidar de si e do planeta por meio da arte. 

O evento mobilizou jovens que vivem na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Puranga-Conquista, onde o IPÊ atua, e na APA - Área de Proteção Ambiental (APA) da Margem Esquerda do Rio Negro Setor Aturiá-Apuauzinho, ambas localizadas na região do Baixo Rio Negro/ Amazônia. O evento contou com o suporte do Barco Maíra I, do IPÊ, doado pelo Grupo Martins e que atualmente apoia o Projeto Gari.  

Na programação, a pesquisadora Fernanda Freda, coordenadora executiva do projeto Navegando Educação Empreendedora na Amazônia do IPÊ, conversou com os jovens sobre os impactos da degradação ambiental, a importância do meio ambiente equilibrado como estratégia para garantir boas condições de saúde a todos. Fernanda também trouxe a pandemia como um alerta para os riscos desse desequilíbrio sem precedentes. 

Como forma de homenagear as vítimas de Covid-19, os participantes plantaram 400 mudas de árvores nativas da Amazônia em três comunidades da RDS Puranga Conquista (Bela Vista do Jaraqui, Pagodão e São Francisco do Chita). As mudas doadas pelo Horto Municipal de Manaus, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, serão contabilizadas pelo movimento global Healing Trees, do qual o IPÊ faz parte. 

ACAO APOIO PROJETO GARI RDS PURANGA CONQUISTA

Healing Trees é uma proposta da San Ramon Carbon Neutral Foundation para que 5 milhões de árvores fossem plantadas em todo o mundo em homenagem às pessoas que perderam as vidas por conta da pandemia da Covid-19. Em maio, o movimento atingiu a meta e os plantios continuam.

Para participar da iniciativa, basta acessar healingtrees.org, preencher o formulário, escolher as espécies e o local em que deseja plantar e fazer a homenagem. Em 12 março de 2022, dia que marca os dois anos de morte da primeira pessoa no Brasil por Covid-19, o IPÊ realizou plantio simbólico de 100 mudas da Mata Atlântica, na região do Sistema Cantareira, em Nazaré Paulista/SP.  

Navegando Educação Empreendedora 

Desde 2021, o Programa Navegando Educação Empreendedora na Amazônia, do IPÊ, atua na RDS Puranga-Conquista realizando levantamentos sobre negócios e seus empreendedores para traçar estratégias que possam dar impulso a esses trabalhos. Tudo acontece com suporte do barco escola Maíra I, que navega as águas dos rios para alcançar os moradores da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Puranga-Conquista. O projeto conta com o apoio do projeto LIRA/IPÊ – Legado Integrado da Região Amazônica e parceria do LinkedIn, a maior rede social profissional do mundo. 

Iniciativa do Mercado Livre, com participação da Pachama, o Regenera América começou suas ações em 2021, apoiando projetos de restauração florestal como o Corredores de Vida, trabalho do IPÊ, que acontece no oeste de São Paulo, Pontal do Paranapanema. Por meio desse apoio, o IPÊ já plantou no ano passado 250 hectares de florestas (400 mil árvores), que se somam ao número total de 6 milhões de árvores reflorestadas pelo Instituto na Mata Atlântica.

Agora, em 2022, o Corredores de Vida receberá um novo aporte que permitirá restaurar 50 hectares a mais do bioma presente no estado de São Paulo, a partir do plantio de mais de 100 mil plantas nativas.

O projeto do IPÊ com corredores florestais acontece há mais de 20 anos no Pontal do Paranapanema e desde o ano passado conta com a experiência da Biofílica Ambipar Environment no desenvolvimento e gestão de projetos de carbono para mensuração e comercialização do CO2eq absorvido pelas áreas restauradas ao longo do período do projeto.

Ao todo, por meio do Regenera América, o Pontal receberá meio milhão de árvores que, em 25 anos terão capacidade de sequestrar aproximadamente 115 mil toneladas de carbono, contribuindo para minimizar os efeitos da crise climática. Além do benefício ecológico e climático, o plantio dessas árvores apoia a geração de renda para 50 famílias locais.

Cientificamente eficazes no combate às mudanças do clima, a conservação e a regeneração geram créditos de carbono, uma vez que os biomas capturam e armazenam o carbono emitido, fornecendo ainda uma variedade de serviços ecossistêmicos vitais, como ar puro, água limpa, solos saudáveis, alimentos, matérias-primas, dentre outros.

O programa Regenera América apoia iniciativas de regeneração nos principais biomas da América Latina, região que abriga 40% da biodiversidade do planeta. Neste ano, quatro projetos receberão esse investimento no Brasil, assim como o programa chega ao México, com o apoio a grande um projeto local e investimento similar. Ao todo, serão investidos R$ 87 milhões na região, sendo que R$ 39 milhões já foram aplicados no ano passado. O Regenera América é uma das principais iniciativas da estratégia ambiental do Mercado Livre, que investe um valor proporcional à sua pegada de carbono em projetos que irão gerar créditos futuros.