ESG na Prática. Confira sessão a 5 Como evitar o ESG washing?

Na última sessão do evento ESG na Prática, parceria do IPÊ com o LinkedIn, Graziella Comini, professora associada da FEA/USP e vice-presidente do IPÊ, moderou o último painel do dia que teve como questão central a intencionalidade do impacto positivo na prática. Selma Moreira, diretora executiva do Fundo Baobá, fundo para promoção da equidade racial, destacou a importância de assumir ações como um compromisso. “Precisamos de seriedade, de estratégia, estruturação e orçamento. As ações precisam ter conexão com o seu negócio, com a sociedade na qual a empresa está inserida, essa leitura é fundamental”. 

Para Adriana Machado - Fundadora do Briyah Institute, o foco está na transformação. “Para ter impacto positivo, precisamos manter nossa atenção na intenção, nas boas práticas com métricas integradas monitoradas e por fim no pensamento sistêmico”

Ricardo Batista, CEO do Tribanco, explicou que uma série de ações relacionadas ao ESG já são praticadas há anos pelo Grupo. “Montamos uma matriz (construída em conjunto com uma série de atores) para desenvolver assuntos, como: mudanças climáticas porque isso pode afetar nossos clientes em todo o Brasil, criação de valor, questão de gênero, produtos financeiros que sejam sustentáveis, desde financiamento de placas fotovoltaicas até projetos de inclusão financeira”.

Para Tarcila Ursini, chief purpose partner da EB Capital, é o início de uma revolução social e ambiental. “O caminho é longo e a provocação profunda, há muita oportunidade para inovação. O ESG não é uma novidade ou uma evolução da sustentabilidade. A diferença é que ela vem do mercado de investimentos, então ela tem uma visão mais pragmática de riscos e oportunidades. Essa avalanche exige a criação de métricas comparáveis, verificáveis, com transparência e compromissos públicos”.

Confira a íntegra dessa conversa:

https://www.linkedin.com/feed/update/urn:li:activity:6850882646642311168