Ação capacita e instrui comunitários em prol da biodiversidade na Amazônia

Cerca de 120 comunitários que vivem em Unidades de Conservação na Amazônia receberam capacitação e treinamento para monitorar ninhos protegidos das espécies irapuca (Podocnemis erythrocephala), tracajá (Podocnemis unifilis) e tartaruga-amazônia (Podocnemis expansa), desde a desova até a eclosão dos ovos. A ação realizada entre o final de julho e o início de agosto visa contribuir com a sobrevivência dos filhotes. O período escolhido para capacitação tem como característica o início da temporada mais seca na  região, quando ocorre nas praias a desova de quelônios

A coordenadora científica do Monitoramento Participativo de Biodiversidade (MPB/IPÊ) Virgínia Bernardes, integrou a equipe de analistas, brigadistas e voluntários do Núcleo de Gestão Integrada (NGI) Novo Airão, e por 18 dias percorreu todas as comunidades dos rios Jaú e Unini, inseridas no Parque Nacional (Parna) do Jaú, Reserva Extrativista (Resex) Rio Unini e Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Amanã. 

“As capacitações são de extrema importância para a continuidade do sucesso da coleta de dados e engajamento dos monitores. Além disso, são os encontros entre o pesquisador, ponto focal e os monitores que permitem o diálogo para um melhor alinhamento e entendimento das possíveis atualizações quanto aos protocolos (metodologia), formulários, momento de avaliação da coleta de dados, compartilhamento dos saberes, experiências e redefinição de acordos e compromissos”, destaca Virgínia. 

A prevenção a incêndios também esteve em entre os temas do encontro. A equipe realizou uma expedição em conjunto com a brigada de incêndio do NGI Novo Airão. “Como efeito das mudanças climáticas nos últimos anos, a Amazônia apresentou uma maior suscetibilidade ao fogo, pela diminuição de chuvas neste período de seca, principalmente em florestas de várzea, matas ciliares e igapós”, explica Virgínia. Durante a atividade foi realizada instrução com foco para a construção de aceiros na volta dos roçados de plantação, no momento de limpeza com fogo, relembrando as regras acordadas nos planos de manejo da Reserva Extrativista (Resex) Rio Unini e do termo de compromisso do Parque Nacional (Parna) Jaú.



Sobre o projeto MPB 

A atividade faz parte da parceria entre IPÊ e o ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, por meio do Programa Nacional de Monitoramento da Biodiversidade (MONITORA) e do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Amazônica (CEPAM). 

A iniciativa é uma atividade do projeto MPB - Monitoramento Participativo da Biodiversidade em Unidades de Conservação na Amazônia, desenvolvido pelo IPÊ em parceria com o ICMBio, com apoio de Gordon and Betty Moore Foundation, USAID e ARPA.