Transição de carreira: com pós-graduação da ESCAS, Brenda mudou área de atuação e iniciou novo negócio

BrendaBrenda Cariz (foto) se matriculou na Pós-Graduação em Gestão de Negócios Socioambientais, da ESCAS, com objetivo de encontrar caminhos que tornassem real a mudança na carreira, do marketing – sua área de formação – para as possibilidades na esfera da sustentabilidade. O que ela ainda não sabia é que essa nova etapa possibilitaria unir grandes paixões com direito a novos horizontes. 

“Cheguei até a ESCAS pela indicação de uma colega que também trabalhava na área de marketing, mas que migrou para o departamento de sustentabilidade. Ela me indicou a ESCAS, já que estudar foi a escolha dela para se aprofundar na temática. E realmente, a ESCAS tem algo de muito valioso. Enquanto o corpo docente te dá segurança, os professores convidados revelam múltiplas perspectivas. Essa diversidade também traz diferentes estilos de aula, o que foi muito positivo, tanto pelo aprendizado quanto pelo conteúdo”, comenta. 

A egressa cursou a maior parte da pós-graduação morando em Florianópolis/SC. Sim, na ESCAS pelo formato híbrido, com atividades online e presenciais, tanto no Mestrado Profissional quanto na Pós-Graduação Lato Sensu, a presença de alunos que não estão próximos fisicamente às unidades da ESCAS (Nazaré Paulista/SP e Porto Seguro/BA) é uma realidade cada vez mais frequente.

Em Florianópolis, entre 2018 e 2020, Brenda teve a oportunidade de atuar em três empresas que têm o próprio negócio relacionado à área socioambiental. “Comecei em uma empresa de permacultura atuando na coordenação da implementação de hortas e no desenvolvimento de projetos de compostagem domiciliar, comunitária e industrial. Na sequência, atuei na área de gestão de uma empresa do segmento de bioplástico. E na terceira, fui convidada a liderar a realização de um festival outdoor envolvendo turismo de aventura. A proposta era de um festival bem parecido com o que defendi no Trabalho de Conclusão de Curso que também trazia o esporte e a valorização da comunidade local”, revela. Mas com a evolução da pandemia o festival foi suspenso.  

Com todo esse know how, de maneira paralela, Brenda deu início em parceria com Mayte Santos Albardía ao plano Be - uma jornada de autoconhecimento, conexão e diálogos em meio a natureza. Dessa forma Brenda une grandes paixões: as conexões dos grupos, a natureza e as soluções para desafios socioambientais. 

“Levamos grupos de pessoas (com no mínimo 10 e no máximo 18) para vivências de dois dias em contato com a natureza - algo muito valioso para fazer uma conexão consigo, com o outro e com o mundo”, pontua. Com duas edições já realizadas na região da Serra Catarinense, Brenda reforça a importância do ecoturismo como estratégia para uma sociedade capaz de enxergar a natureza, o meio ambiente, as questões socioambientais e a sustentabilidade de outra forma. “Nas vivências, trabalhamos a sensibilização quanto à natureza, esse é o primeiro passo antes da conscientização – tendo em vista mudanças na nossa sociedade.” No horizonte, Brenda planeja levar o plano Be para a Espanha. “Pós-pandemia a ideia é promover um intercâmbio entre os participantes, pensando em vivências interculturais”.

 

Em breve, inscrições abertas para a Pós-Graduação em Gestão de Negócios Socioambientais

Inscrições abertas para o Mestrado Profissional em Conservação da Biodiversidade e Desenvolvimento Sustentável da ESCAS até 19 de junho de 2021

Turma Porto Seguro/Bahia

Turma Nazaré Paulista/São Paulo