Bolsa de estudo garantiu pela primeira vez a participação de indígena no Mestrado da ESCAS-IPÊ

José Palahv Gavião é o primeiro aluno indígena do Mestrado Profissional da ESCAS por meio da bolsa do WWF (PROGRAMA Education for Nature/EFN), oferecida pelo curso.  

“Procurei onde eu iria me encaixar melhor em um Mestrado, que tivesse a ver comigo e com a minha cultura. Fiquei sabendo sobre a ESCAS e que a escola tinha uma bolsa. Decidi que era a hora” comenta.

“Acho que a ESCAS é o lugar dos indígenas, porque a gente tem uma visão que encaixa com a escola, a da proteção da natureza, de um povo que conserva o meio ambiente. A ESCAS é o lugar para nós. Eu me sinto seguro fazendo essa faculdade no sentido que ela reflete a minha realidade e, com o meu estudo, eu posso contribuir com o meu povo. Eu espero que eu abra portas. Que eu seja o primeiro de muitos”, José Palahv Gavião.

Nascido em Ji-Paraná, Rondônia, na etnia Gavião, Palahv aprendeu com o avô o conhecimento sobre a Amazônia, as plantas medicinais, pesca, caça e tradições. Falante do Tupi-Mondé, alfabetizou-se em português aos 13 anos e desde então não parou de buscar conhecimento acadêmico, que estivesse em sintonia com sua cultura e que pudesse levar benefícios ao povo Gavião.

Cursou a Universidade Federal de Rondônia em Educação Intercultural e fez uma especialização em plantas medicinais. Tornou-se professor da escola da aldeia e, aos 39, decidiu que era a vez de aprofundar os seus conhecimentos e desenvolver um projeto que contribuísse para o desenvolvimento e conservação da biodiversidade no território Gavião.  

Os Gavião vivem na bacia do igarapé Lourdes e outros afluentes do rio Machado (ou Ji-Paraná), uma região importante do bioma amazônico, próximo à divisa com o Mato Grosso. Ali, além do açaí e da copaíba, a extração de castanha do Brasil gera a maior parte da renda da população.

“O projeto que estou desenvolvendo no Mestrado é justamente para criar uma cadeia de valor para a castanha coletada no nosso território. Para que seja vendida pelos indígenas, diretamente, sem atravessadores, com um preço mais adequado. Já ajudei a construir uma cooperativa e estamos buscando melhorar a coleta, modernizar o que conseguimos. Quero aprender mais sobre como fazer isso e estou conseguindo com apoio do curso e das pessoas que estou tendo contato.”, conta ele.

Iniciada ainda em 2020, a cooperativa Vekala já tem hoje 44 cooperados e segue na busca por um comércio mais justo para o produto, melhorando a qualidade da coleta e trabalhando pela certificação.