Projeto promove formação de mais de 60 novos monitores na Amazônia

Entre 12 e 15 de novembro, o IPÊ realizou dois cursos de capacitação e reciclagem para o automonitoramento em oito comunidades da Reserva Extrativista (Resex) Médio Juruá e 11 comunidades da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Uacari, no Amazonas. Os cursos acontecem pelo projeto Monitoramento Participativo da Biodiversidade, uma parceria do IPÊ com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Os  dois recentes foram direcionados para monitores formados no ano de 2018, mas também formou 63 novos monitores da biodiversidade para a Amazônia.

O objetivo das aulas foi relembrar os monitores já formados da importância do trabalho deles para o monitoramento da biodiversidade dessas duas Unidades de Conservação (UCs) onde que vivem, recapitular todas as atividades do protocolo de automonitoramento da pesca e corrigir os principais erros encontrados no preenchimento dos formulários. Os dias de curso despertaram interesse de mais pessoas que, ao verem seus vizinhos realizando o trabalho de monitoria durante o ano que passou, quiseram fazer parte. 

O automonitoramento da pesca consiste em realizar a coleta de informações de forma participativa. Voluntários das comunidades são capacitados para coletar informações em determinado período, anotando as espécies, o volume e a quantidade total de peixes capturada, bem como a medição de amostra por espécie. A metodologia foi criada a partir de reuniões com especialistas da área de ictiologia, gestão e manejo. Posteriormente foi testada e, a partir das demandas das comunidades, foi adaptada como uma forma mais baratas e eficientes de monitorar e avaliar o ambiente aquático e as espécies de peixes locais capturadas.

Os cursos fazem parte do projeto do IPÊ, ligado ao Programa Nacional de Monitoramento da Biodiversidade (MONITORA), Subprograma Aquático Continental, do ICMBio, sob a coordenação do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Amazônica (CEPAM) em parceira com o IPÊ e apoio da USAID e Fundação Gordon e Betty Moore.