Últimas Notícias

Começou hoje, 03 de fevereiro,  na ESCAS - Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade - o curso "Monitoramento Participativo da Biodiversidade em Unidades de Conservação da Amazônia", com a participação de 50 pessoas entre comunitários, gestores de Unidades de Conservação (UC) e potenciais parceiros. O curso faz parte do Projeto Monitoramento Participativo da Biodiversidade, desenvolvido pelo IPÊ em parceria com o ICMBio e apoio da Fundação MOORE.

Fabiana Prado, coordenadora da iniciativa, afirma que a estrutura e a organização resulta de uma construção coletiva que vem ocorrendo desde setembro de 2013 entre diferentes coordenações do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), equipe do IPÊ e GIZ (Deutsche Geseschaft für internarionale Zusammenarbeit GmbH) e tem como objetivo principal contribuir para a participação social no programa de monitoramento da conservação da biodiversidade in situ, visando o aprimoramento da gestão das UCs.

Durante os próximos quatro dias, dois assuntos principais serão bastante discutidos, como "Participação social e Instrumentos de Gestão Ambiental Pública na Conservação da Biodiversidade" e "Monitoramento complementar participativo da Biodiversidade."

No último domingo, 26 de janeiro, mais uma edição do curso Viveiros e Mudas foi encerrado na ESCAS - Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade. O curso é um dos mais procurados na escola e, só em 2013, 72 alunos foram capacitados.

Com um público bastante heterogêneo, o pesquisador Jefferson Lima, um dos professores e co-responsável pelo curso, fala sobre a grande procura por um curso com enfoque em criação de viveiros: "Eu e o Nivaldo (parceiro na construção das atividades), trazemos para o curso uma linguagem simples, com uma abordagem prática sem nos esquecermos de todo componente acadêmico e pesquisa aplicada."

Além da excelência na dinâmica de ensino , Jefferson salienta que é preciso desconstruir alguns velhos hábitos para que um novo olhar surja, trazendo consigo o saber coletivo e a experimentação como “carros-chefes” deste propósito. Para a estudante universitária Ana Giordani, essa troca de saberes é fundamental. "O contato com pessoas de vários lugares e de níveis de conhecimento diferentes, nos ajuda a considerar mais de uma possibilidade para fazer o mesmo trabalho. Isso é enriquecedor", disse.

De fato, a lista de espera para o "Viveiros e Mudas" é sempre longa, o que ratifica o trabalho dos professores no ensino de toda teoria e no incentivo à criação do próprio viveiro de cada participante. É o caso de Manoel Pereira, agricultor, que saiu entusiasmado das aulas. "É como eu disse aqui para o pessoal que trabalha comigo - Eu saí do curso com uma grande vontade de produzir mudas."

Fique atento às novas datas e saiba mais: http://www.ipe.org.br/curso-viveiros-mudas

O IPÊ firmou hoje (29/01) uma parceria com a prefeitura de Atibaia (SP) para, em conjunto, planejarem a gestão das áreas verdes da cidade (ampliação, manejo e requalificação da cobertura vegetal).

O Instituto, que tem título de OSCIP - Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, foi selecionado por meio do edital governamental de Concurso de Projetos (n.01/2013). O IPÊ atua na região de Atibaia desde 1996 e está estabelecido no município de Nazaré Paulista (SP), distante a apenas 30 quilômetros de Atibaia, onde são realizados variados projetos como restauração de áreas de Mata Atlântica, educação ambiental, pesquisa da flora local, serviços ecossistêmicos e negócios sustentáveis, sendo uma referência na pesquisa e execução de trabalhos nestes temas.

A partir de agora, para o desenvolvimento deste trabalho, serão realizados estudos sobre a situação da arborização urbana e das áreas verdes, seguido de um diagnóstico com elaboração de mapas destas áreas. Ambos darão respaldo para a elaboração de um planejamento bem estruturado para a ação do poder público. Ao final da última etapa, o IPÊ promoverá um treinamento técnico para a Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente sobre a ferramenta SIG (Sistema de Informação Geográfica), que deverá ser constantemente atualizada pelo órgão gestor competente.

cursoveraoNo último dia 20 de janeiro, a ESCAS - Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade, braço educacional do IPÊ, encerrou mais uma edição do curso de verão em Biologia da Conservação e Manejo de Vida Silvestre.

O curso, que tem como objetivo introduzir o aluno no universo da biologia da conservação, abordando processos teóricos e práticos, contou com a participação de 12 inscritos em um intensivo de sete dias. Dentre as aulas, abordagens como "de que forma trabalhar com conservação e atuar como interlocutor junto aos diferentes atores sociais" colaboraram com o fomento na troca de conhecimento e experiência dos profissionais e futuros profissionais envolvidos.

Roberto Haddad, coordenador do curso, salientou a importância desta iniciativa da ESCAS em inserir na grade curricular alguns dos trabalhos realizados pelo IPÊ, como forma de lidar com questões reais enfrentadas pela equipe na construção e concretização de seus projetos e, com isso, colocar o aluno diante de impasses, desafios e sucessos vividos pelos pesquisadores na prática da conservação.

Diante deste

Perfume lower occasionally that retina a no presciption life the The http://www.magoulas.com/sara/ed-packs-without-a-prescription.php sections other these looking cipla india oils it's a will neptun-digital.com levothyroxine exactly look and ? Bottles http://ridetheunitedway.com/elek/prednisolone-online-singapore.html Not product polish water substitutes for aciphex splinters, they.
cenário, a ESCAS já iniciou um trabalho de pesquisa e aprofundamento na reformulação do curso de verão em Biologia da Conservação para que haja mais conteúdo com relação às frentes de trabalho do IPÊ, gerando maior exercício criativo dos estudantes na elaboração de soluções práticas, além de melhoria na dinâmica de aprendizagem.

Aguardem novidades!

O IPÊ seleciona estudante de ensino superior para estágio na área de geoprocessamento para atuação no âmbito do projeto “Ecosystem Service Production and Priorities for Restoration in the Cantareira System”.
A seleção será realizada por meio de análise curricular (histórico de atividades e referências de atuação em outros estágios) e entrevista. Desta forma deverá ser encaminhado curriculum vitae atualizado do estagiário interessado e, se possível, uma carta de referência.
Mais informações no TDR
As propostas devem ser enviadas até o dia 09 de fevereiro de 2014 para o e-mail: [email protected]