Últimas Notícias

Programação: "Desafios e oportunidades para aumentar a segurança hídrica no Sistema Cantareira"

08:30 – 09:00 Recepção

09:10 Abertura

Eduardo Ditt, engenheiro agrônomo formado pela Esalq/USP, mestre em Ciência Ambiental pelo PROCAM/USP e doutor em Pesquisa Ambiental pelo Imperial College London. Faz parte da equipe do IPÊ desde 1992 e participa de diversas iniciativas relacionadas à pesquisa e conservação, com foco em serviços ecossistêmicos e projetos de carbono.

Painel I Desafios do Sistema Cantareira

09:10 – 09:25 Cenário atual do Sistema Cantareira

Em 2018, o nível do Sistema Cantareira já atingiu o nível mais baixo ao registrado no cenário que antecedeu a crise de abastecimento de 2013 e 2015. Ao contrário do cenário de pré escassez hídrica, as consequências até então estimadas pelos pesquisadores, passaram a fazer parte do dia a dia da população que teve o abastecimento em alguns casos criticamente comprometido. Pós esse período crítico, quais aprendizados já foram colocados em prática frente a esse contexto? Quais conhecimentos apesar de já identificados continuam ainda restritos à teoria?

Alexandre Uezu, biólogo formado pelo Instituto de Biociências/USP, mestre e doutor em Ecologia pela mesma universidade, professor permanente da ESCAS - Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade - e coordenador geral do projeto Semeando Água, uma realização do IPÊ com patrocínio da Petrobras, através do programa Petrobras Socioambiental e Governo Federal.  


09:25 – 09:40
A relação intrínseca entre floresta e água e as diferenças entre os investimentos para tratar a água em bacias degradadas e com significativa cobertura florestal

A água produzida na região de cada bacia hidrográfica possui extrema relação com a cobertura florestal ou a falta dela e o uso do solo. Tratar a água de bacias com matas ciliares preservadas e fazer o mesmo em bacias degradadas são medidas com características distintas nas mais diversas esferas, incluindo no custo. Conheça os investimentos envolvidos se mantidas as condições atuais para tratar a água do PCJ (Piracicaba, Capivari e Jundiaí) X a prestação do serviço na mesma bacia com o aumento da área florestal. Confira as alternativas para reverter o processo de degradação das bacias hidrográficas. Diante desse conhecimento quais são os caminhos para ter a preservação dos recursos naturais como aliada da segurança hídrica?

Lucia Vidor de Sousa Reis, agente Ambiental da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), atua como representante da companhia no Comitê de Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, na Câmara de Saúde Ambiental.

09:40 – 09:55 Previsões para o Sistema Cantareira e os eventos extremos esperados

No mês de julho, a região Sudeste está quase na metade da estação seca, que vai até setembro. No final de janeiro deste ano, o Sistema Cantareira registrou 50% da capacidade, quando o ideal seria 60%, em 2013, o volume era de 52,3%.  Em 10 de junho, o Sistema Cantareira contava com 45,6% da capacidade, estava mais baixo do que o período que antecedeu a maior crise hídrica do Estado de São Paulo, em 2013, com 58,3%. Por outro lado, quais são os prognósticos climáticos do Sistema Cantareira a curto e médio prazo? Atitudes articuladas e a efetiva participação dos diferentes atores sociais podem mudar o rumo da história. O que pode ser feito na escala regional para aumentar a resiliência do Sistema em relação às mudanças climáticas? Conheça o papel que a sua instituição ocupa e as responsabilidades frente a esse cenário.

Adriana Cuartas, chefe e pesquisadora da Divisão de Monitoramento e Alertas do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden).

 

09:55 – 10:10 Demanda de água e adaptação às variações climáticas

Pós 2015 como a empresa vem mitigando e se adaptando aos efeitos das variações climáticas, especialmente quanto à quantidade e à distribuição das chuvas? Com o plantio de cerca mais de 300 mil mudas no Sistema Cantareira, a companhia chegará a 2 milhões de árvores plantadas no Cantareira desde 2007. Quais resultados são esperados com o plantio? Quais são as outras ações que a companhia articula nessa direção? Segundo estudos da Sabesp, qual será a demanda de água para os próximos anos? Como a empresa se prepara para prover o recurso?

Hélio Rubens Gonçalves Figueiredo, assessor da diretoria metropolitana da Sabesp e coordenador do Fórum de Responsabilidade Socioambiental da Diretoria.

10:10 – 10:40 Rodada de perguntas

10:40 –10:55 Intervalo


Painel II Medidas implementadas que já fazem diferença e as lacunas que devem ser respondidas 

11:00 – 11:15 Resiliência das áreas de mananciais frente às mudanças climáticas: transformar paisagens e difundir resultados

A conservação da natureza, incluindo em propriedades privadas, traz uma série de benefícios – que vão além do local – são difusos e por conta dessa característica atingem também a população localizada a centenas de quilômetros de distância. Ações locais têm impacto na conservação dos recursos naturais nas esferas regional e nacional. Um dos melhores exemplos para compreender essa dinâmica é observar a dependência entre preservação de florestas, restauração de áreas degradadas com a qualidade e quantidade de água. Nesse contexto, instrumentos legais têm força para incentivar a promoção de paisagens mais sustentáveis. Quais são os principais que podem ser implementados no Sistema Cantareira? Descubra os aspectos que deveriam ser considerados na conservação das áreas de mananciais, mas que têm ficado de fora, dificultando assim a obtenção dos resultados inicialmente esperados.

Maria José Brito Zakia, engenheira florestal e consultora no Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais (IPEF).

11:15 – 11:30 Índice de Risco de Escassez Hídrica: resultados e as alternativas de respostas

Como uma das maiores empresas do país respondeu às consequências da crise hídrica (2013-2015) com aprimoramento corporativo? A Petrobras desenvolveu em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro o Índice de Risco de Escassez Hídrica. O instrumento avalia o risco de escassez hídrica em cada uma das instalações da petroleira e permite assim antecipar ações capazes de garantir a continuidade do trabalho. Na prática, como esse índice funciona e com quais alternativas a empresa é capaz de responder aos diferentes cenários? Pós-crise, o que mudou na área de atuação da companhia?

André Bueno Portes, coordenador de Recursos Hídricos e Efluentes (SMS/MA/BRH/RHE) Gerência de Biodiversidade e Recursos Hídricos da Petrobras.


11:30 – 11:45 Consequências da crise para a Replan, medidas de prevenção e o fortalecimento de ações regionais

Os impactos da crise hídrica nas atividades da maior refinaria nacional em capacidade de processamento de petróleo, com 69 mil m³/dia, o equivalente a 434 mil barris. Quais resultados a aplicação do Índice de Risco de Escassez Hídrica na bacia do PCJ já trouxe para a Replan? A articulação entre os diferentes atores sociais na tentativa de somar esforços para evitar novas crises desponta como questão central quando o assunto envolve um recurso compartilhado. Quais atitudes sintetizam a participação da empresa no contexto regional?

Paulo Lovo Júnior, engenheiro químico especializado como engenheiro de processamento na Petrobras, conduziu os trabalhos da Replan durante a crise hídrica.

11:45 – 12:15 Rodada de perguntas

12:15 – 13:30 Almoço


Painel III Estratégias para a conservação dos recursos hídricos: resultados e o desafio de dar escala às iniciativas

13:30 – 13:45 Ações do Governo Estadual para conservação dos recursos hídricos com foco no Sistema Cantareira

O Programa Nascentes desenvolvido pela Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo (SMA) tem na conservação do solo, por meio da restauração das matas ciliares, uma medida central. A iniciativa converte 90% do valor das multas em ações para a preservação ambiental via Termo de Compromisso de Recuperação Ambiental. Estão em andamento projetos em 142 municípios que somam mais de 9.500 hectares em processo de restauração. Quais são os resultados já obtidos por meio do programa instituído em 2014 em continuidade ao Programa Mata Ciliar (PMC)? Como o órgão vem trabalhando a integração entre recursos hídricos e sistemas produtivos? No Sistema Cantareira e entorno especificamente quais ações são desenvolvidas? 

Helena Carrascosa, engenheira agrônoma, coordenadora do Programa Nascentes na Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo (SMA).

13:45 – 14:00 Pagamento por Serviços Ambientais (PSA)

Com mais de 10 anos de histórico, o PSA conta atualmente com mais de 2.000 produtores rurais que recebem pelos serviços ambientais prestados a partir da conservação dos recursos naturais na propriedade. 57 projetos estão em andamento e correspondem a 400 mil hectares de áreas protegidas. De que forma o projeto garante melhor qualidade e quantidade de água? Quais experiências são sinônimo de Boas Práticas? Quais são os desafios para ampliar a implementação do Programa?

Consuelo Franco Marra, geóloga, especialista em Recursos Hídricos na Coordenação de Implementação de Projetos Indutores da Agência Nacional de Águas (ANA).


14:00 – 14:15 Boas Práticas para o produtor rural

O produtor rural tem papel fundamental na conservação e recuperação de recursos hídricos, mas qual é o olhar desse ator social chave sobre o desafio da boa gestão da água? Mobilizar ainda mais produtores como parceiro na gestão da água é estratégico. Como dar escala a essa aliança? Para o produtor aliar produção com conservação em muitos casos é mais do que uma escolha, mas necessidade. Os benefícios difusos da conservação dos recursos naturais começam com o produtor rural, nas terras que pertencem a ele, mas com potencial de impactar a sociedade com benefícios ou dificuldades. Nesse contexto, quais trabalhos são considerados referências? 

Wander Bastos, presidente da Associação dos Sindicatos Rurais do Vale do Paraíba (Assivarp).


14:15 – 14:30 A força das ações locais para o cenário regional e a articulação com os ODS das Agenda 2030

Entre os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, dois se referem diretamente à água, o ODS 6 Água Potável e Saneamento e o ODS 14 Vida na Água, o fato reforça a importância do recurso para a Agenda 2030 e ao mesmo tempo mostra as dimensões do desafio. Com a conservação e recuperação dos cursos d’água e nascentes do Sistema Cantareira, os diferentes atores sociais articulados têm potencial de contribuir em que medida com as metas dos ODS? Na prática, os resultados desse movimento estarão presentes de que forma nas esferas local, regional e nacional? De que forma essas ações podem promover uma nova realidade e atrair novos parceiros?

Carolina Ayres, consultora em Estratégia e Educação para a Sustentabilidade - Fundadora da Humana Sustentável.

14:30 – 14:45 Intervalo

14:45 Rodada de discussões e fechamento

Durante o evento, as perguntas serão organizadas por grupo e respondidas durante a Rodada de Discussões e fechamento. Com essa medida, os realizadores do Encontro buscam garantir que cada palestrante tenha condição de responder as dúvidas de maneira mais completa e já articuladas com todas as questões levantadas durante o evento. 

 

Como empresas, órgãos públicos, proprietários de terras e a sociedade podem alinhar medidas para fortalecer a integração e a implementação das ações capazes de contribuir com o incremento do volume do Sistema Cantareira? Na tentativa de articular os principais atores sociais e buscar alternativas em resposta a essa pergunta, o projeto Semeando Água, do IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas, com patrocínio da Petrobras, através do programa Petrobras Socioambiental e Governo Federal, promove o Encontro sobre os desafios e oportunidades para aumentar a segurança hídrica no Sistema Cantareira, em 03 de julho, na sede do IPÊ, em Nazaré Paulista.

O evento formado por três painéis vai discutir os desafios, as medidas que já fazem diferença e as lacunas que devem ser respondidas, além das estratégias para a conservação dos recursos hídricos, os resultados e os desafios para ganhar escala. Serão 12 apresentações de pesquisadores, lideranças governamentais, representantes da Agência Nacional de Água (ANA), de produtores rurais, da Sabesp e da Petrobras e da Replan.

A multiplicidade de atores sociais, conhecida como um dos desafios, quando o assunto é água será um dos pontos fortes do evento. Para Alexandre Uezu, coordenador do projeto, essa é uma característica que proporcionará ainda mais força aos resultados que são esperados com a iniciativa. “Com o programa do Encontro, produtores rurais, empresas, centros de pesquisa, governo, órgãos responsáveis pela gestão e a empresa que realiza a operação; todos eles estarão representados, buscamos dar espaço para profissionais das diversas áreas envolvidas com a temática contribuírem com a discussão. A solução para garantir sustentabilidade aos recursos hídricos, nesse caso, com destaque para o Sistema Cantareira, deve ter como base a integração”.

A escolha da data na metade da estação seca no Sudeste também é estratégica. Atualmente, o volume registrado no Sistema está mais baixo quando comparado ao período que antecedeu a pré-crise. “Os níveis de precipitação estão menores do que o esperado pela média histórica e não sabemos até quando essa condição se manterá”, afirma Alexandre Uezu.

Nesse contexto, o programa do Encontro traz à tona questões-chave que vão desde o cenário atual, passando pelo prognóstico para o Sistema Cantareira, a demanda de água em um futuro próximo, resiliência das áreas de mananciais, mecanismos desenvolvidos pelas empresas como medidas de prevenção, ações do governo estadual, o impacto das mudanças climáticas, a importância do produtor rural, Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) e a conexão de todo esse cenário com os ODS da Agenda 2030.

Para Simone Tenório, pesquisadora do IPÊ e coordenadora de Políticas Públicas do Projeto Semeando Água, outro ponto de destaque será a construção de produtos capazes de influenciar políticas públicas que contribuam para a preservação do maior sistema da região metropolitana paulista. “O evento tem como propósito a elaboração de uma carta de intenção e de um Plano de Ação como forma de somar esforços para aumentar a segurança hídrica do Sistema. Nesse sentido, o Encontro busca abordar as lacunas que dificultam a implementação de ações e propor soluções práticas capazes de fazer a diferença. A sinergia com os ODS da Agenda 2030 também está no programa, como caminho para contextualizar a importância das ações locais para o cumprimento de metas globais”.  

O evento é exclusivo para convidados, contará com transmissão simultânea pelo canal do IPÊ no Youtube e tem o apoio da Noví.

Confira a Programação

 

O IPÊ, por meio do Projeto de Monitoramento Participativo da Biodiversidade em Unidades de Conservação na Amazônia, está selecionando um profissional para atuar como consultor na condução de processos de construção coletiva de resultados e compartilhamento de informação, conhecimento e aprendizados a partir das coletas de dados e cursos realizadas no âmbito do Programa Nacional de Monitoramento da Biodiversidade (Monitora) do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio.

Local Previsto de Execução das Atividades: Unidades de Conservação na Amazônia: RESEX do Cazumbá-Iracema (Acre); RESEX Tapajós Arapiuns (Pará), Flona Jamari (Rondônia) e Parna Montanhas do Tumucumaque (Amapá), sede do IPÊ em Nazaré Paulista (São Paulo) e Brasília (Distrito Federal).

Saiba mais AQUI.

Inaugurada em 1989, a Usina Hidrelétrica de Balbina (UHE Balbina), no rio Uatumã, em Presidente Figueiredo (AM), possui um lago de mais de 2.300 km2, em que o principal atrativo pesqueiro é o tucunaré (Cichla spp.).

Entre governo e pescadores locais existe um acordo que funciona como ferramenta de manejo dos recursos pesqueiros, especificamente  para a espécie. Com a demanda dos pescadores pela liberação de redes tipo malhadeiras para a captura de tucunarés e outras espécies de peixes, uma pescaria experimental foi realizada em dezembro de 2017 e repetida entre os dias 17 a 22 de junho de 2018, com o objetivo de verificar a viabilidade de utilização do equipamento. 

"De posse destes resultados será possível ter informações cientificas que auxiliem na tomada de decisões para a liberação ou não das malhadeiras e com isso possibilitando a manutenção e conservação dos estoques de tucunaré", afirma Wendell Medeiros, engenheiro de pesca e pesquisador local do IPÊ, no projeto Monitoramento Participativo de Biodiversidade, em parceria com o ICMBio.

A pescaria experimental aconteceu dentro e fora da Reserva Biológica (Rebio) Uatumã. Ao todo, foram coletados 643 peixes distribuídos em 25 espécies, sendo 338 e 24 espécies coletados dentro da Rebio e 305 e 18 espécies coletados fora da Unidade de Conservação. Os peixes foram levados para o laboratório de triagem montado no acampamento, para tomada de medidas, verificação do sexo e outros aspectos biológicos. 

"Os resultados preliminares de descrição da composição da ictiofauna no lago da UHE Balbina tornam evidentes o papel da REBIO Uatumã na proteção e preservação das espécies de peixes locais", ressalta Wendell Medeiros. 

A atividade foi realizada em parceria com o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Amazônica (CEPAM) do ICMBio e a Rebio Uatumã, com a participação de especialistas em taxonomia e biologia de peixes do Instituto de Nacional de Pesquisas na Amazônia (INPA).

 

Entre os dias 19 e 21 de junho de 2018, foi realizada em Florianópolis/SC a Oficina para Análise de Custos para a Conservação da Biodiversidade da Mata Atlântica, uma iniciativa do Ministério do Meio Ambiente com o IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas. Essa foi a segunda oficina participativa realizada durante o processo de atualização do mapa de áreas e ações prioritárias para conservação da biodiversidade na Mata Atlântica. O objetivo foi o levantamento de informações espacializadas, organização e sistematização de um banco de dados georreferenciados e consulta a especialistas para definição de uma superfície de custos para a Mata Atlântica.

Compõem a superfície de custos quaisquer atividades antrópicas com algum nível de incompatibilidade com ações de conservação da biodiversidade. Essa superfície indicará, ao final do processo, áreas com relativa dificuldade em implantar ações de conservação na Mata Atlântica. Algumas das atividades analisadas durante a oficina foram: urbanização, mineração, barramentos de rio, aeroportos, portos, usinas termelétricas, estradas, ferrovias, hidrovias, atividades agrossilvipastoris, entre outras.

A oficina teve 53 participantes, entre representantes do setor produtivo, órgãos governamentais, organizações da sociedade civil e especialistas em impactos ambientais. Ao final da oficina, foram classificadas 31 diferentes atividades antrópicas que comporão a superfície de custos.

Os dados reunidos nesta oficina auxiliarão na priorização de áreas com menor conflito para as ações de conservação e igualmente importantes para o alcance das metas de conservação estabelecidas.

"A Oficina foi muito positiva. Pudemos identificar regiões com mais compatibilidade com os custos de conservação, em consenso com os diversos grupos que participaram", afirma Clinton Jenkins, pesquisador do IPÊ e coordenador técnico do trabalho. Jenkins destaca que o processo de construção do novo mapa tem sido bastante eficiente com a abrangência da metodologia utilizada. "Décadas atrás a tendência era ver apenas maior número de espécies, agora a ideia é achar uma solução mais eficiente, usando mais critérios, por meio do conceito de planejamento sistemático de conservação", diz.


Mais duas oficinas estão agendadas ainda para 2018, com vistas a concluir a atualização do mapa e efetivar a sua renovação. Em agosto, haverá uma oficina para identificar oportunidades de uso sustentável, e tem como perspectiva envolver ONGs, profissionais que atuam com serviços ecossistêmicos e comunidades tradicionais. A última oficina, em novembro, dará origem ao mapa final.

Sobre o mapa de áreas prioritárias

A seleção de áreas prioritárias para a conservação é um instrumento de política pública para apoiar a tomada de decisão, de forma objetiva e participativa, no planejamento e implementação de ações para conservação da biodiversidade brasileira, tais como a criação de unidades de conservação (UC), licenciamento, fiscalização e fomento ao uso sustentável. As regras para a identificação de tais Áreas e Ações Prioritárias foram instituídas formalmente pelo Decreto nº 5.092/2004 no âmbito das atribuições do MMA.

O Segundo Processo de Atualização das Áreas Prioritárias da Mata Atlântica teve início em novembro de 2017, com previsão de encerramento em dezembro de 2018. O trabalho está sendo coordenado pelo Departamento de Conservação de Ecossistemas (DECO) da Secretaria de Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente e realizado em parceria com o IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas.

Este trabalho é desenvolvido no âmbito do Projeto Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica, coordenado pelo MMA no contexto da Cooperação para o Desenvolvimento Sustentável Brasil-Alemanha, parte da Iniciativa Internacional de Proteção do Clima (IKI) do Ministério Federal do Meio Ambiente, Proteção da natureza, Construção e Segurança Nuclear (BMUB) da Alemanha. O projeto conta com o apoio técnico da Deutsche Gesellscha fürInternaonale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH e apoio financeiro do Banco de Fomento Alemão (KfW).