Parceria internacional ESCAS/IPÊ leva treinamento a 20 assentados no Pontal do Paranapanema

Uma parceria entre a ESCAS - Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade, do IPÊ, e a iniciativa ELTI - Environmental Leadership & Training Initiative (Iniciativa de Liderança e Capacitação Ambiental), da Escola de Florestas e Estudos Ambientais da Universidade de Yale (EUA), vai promover um curso de campo para 20 produtores de assentamentos rurais no Pontal do Paranapanema, extremo oeste de São Paulo.

A proposta é disponibilizar conhecimentos para que eles possam implementar paisagens produtivas sustentáveis em seus lotes. O curso apresentará de forma prática os princípios da agroecologia e restauração ecológica por meio de sistemas agroflorestais (SAFs), silvipastoris e restauração florestal.

Engajado na proteção de florestas tropicais por meio de iniciativas de conservação e restauração, o programa ELTI (criado com o apoio do fundo ARCADIA) busca apoiar projetos de pessoas e organizações com propostas viáveis para recuperar paisagens já degradadas pelas ações humanas, como no caso da Mata Atlântica, um dos biomas mais ameaçados do mundo. Com base na expertise do IPÊ na região do Pontal, que possui os principais remanescentes de Mata Atlântica de interior, o programa garantiu recursos para a iniciativa que começa dia 17 de setembro.

Há mais de 20 anos, o IPÊ vem trabalhando no Pontal do Paranapanema engajando os pequenos produtores, a maioria assentados rurais, a adotarem práticas sustentáveis de uso do solo para uma melhor qualidade de vida, aliando conservação da biodiversidade a ganhos econômicos. Assim foram desenvolvidos projetos como Café com Floresta, Buchas Ecológicas, Sistemas Agroflorestais e Viveiros Comunitários, que vêm beneficiando mais de 200 pessoas por ano.

A restauração também se destaca nesse contexto. O IPÊ é responsável pela restauração do maior corredor de biodiversidade já implementado no Brasil, com mais de 2,7 milhões de árvores nativas, que conecta as principais Unidades de Conservação do oeste paulista, contribuindo para a sobrevivência de espécies da fauna.

"Educação, seja por via formal, capacitação técnica ou informal, sempre foi o foco do IPÊ. Ao empoderar as pessoas com conhecimento, levando informação e mostrando caminhos mais sustentáveis de se viver, o Instituto vem fazendo uma grande diferença na Mata Atlântica, especialmente nessa área tão crítica, que abriga espécies ameaçadas como o mico-leão-preto e a onça pintada", afirma Miriam Perilli, uma das responsáveis pela iniciativa. "Com esse curso, vamos dar oportunidade a mais pessoas que queiram desenvolver inovações em suas terras, em benefício não só do ambiente como de suas próprias famílias. Essa mudança é possível e os projetos do IPÊ vêm mostrando isso ao longo dos anos", diz. 

Mata Atlântica 

A Mata Atlântica brasileira é uma das ecorregiões mais ameaçadas do mundo. A região foi a primeira a ser colonizada por europeus e se desenvolveu no centro agrícola, industrial e populacional do país. Assim, a cobertura original da Mata Atlântica foi reduzida por séculos de uso insustentável em pequenas ilhas florestais cercadas por desenvolvimento agrícola e urbano. Além de conter “bancos genéticos” de algumas das espécies mais raras do mundo, o que resta da Mata Atlântica é importante para a qualidade de vida de 70% da população humana brasileira que vive nessa região. Os demais fragmentos de Mata Atlântica também são vitais para a proteção das bacias hidrográficas, para a prevenção da erosão e do assoreamento do solo e para manter os microclimas e outras condições ambientais necessárias à própria existência das cidades e áreas rurais mais povoadas do Brasil. No Pontal do Paranapanema, os maiores remanescentes de Mata Atlântica foram progressivamente invadidos entre 1960 e 1990 por fazendas de grande porte de pecuária e cana-de-açúcar. Em meados da década de 1990, com a pressão pela redistribuição de terras do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), essas terras foram expropriadas para assentamentos de reforma agrária pública, aumentando a densidade da ocupação humana. Assim, engajar essa população moradora dessa área tão importante para uma produção mais sustentável, é cada vez mais importante.