Virada Sustentável: Palestrantes debateram sobre papel da sociedade na proteção de recursos naturais e do clima

Produção e conservação da água do Sistema Cantareira, pecuária neutra e certificação de orgânicos foram os três temas abordados durante o evento  "Conservação da Biodiversidade: um ótimo negócio", promovido pelo IPÊ e pela ESCAS durante a Virada Sustentável São Paulo 2017.  Realizado na biblioteca da Unibes Cutural, em São Paulo, o evento reuniu mais de 50 pessoas, que acompanharam as palestras e participaram de um debate sobre o tema, mediado por Cristiana Martins, coordenadora do Mestrado Profissional da ESCAS.

AleUezu Virada SustentavelPesquisador do IPÊ e professor da ESCAS, Alexandre Uezu (foto), trouxe dados relevantes sobre o Sistema Cantareira e sobre como uma produção mais sustentável pode ser tão vantajosa aos serviços ecossistêmicos quanto aos ganhos econômicos dos produtores de gado na região que influencia o sistema. A falta de floresta em Áreas de Preservação Permanente, que colaboraria para a segurança hídrica do sistema que abastece milhões de pessoas na cidade de São Paulo, é um dos graves problemas hoje. Faltam 35 milhões de árvores no Sistema Cantareira, segundo o pesquisador. Outra questão relevante na região é a produção de gado e o empobrecimento do solo, que pioram a capacidade de retenção de água e elevam os riscos para detrimento das represas que fazem parte do sistema de abastecimento. Os dados vêm de pesquisas do IPÊ e de projetos realizados em oito cidades que influenciam a produção de água na região: Mairiporã, Nazaré Paulista, Joanopólis, Piracaia, Vargem e Itapeva (São Paulo) e Extrema e Camanducaia (Minas Gerais). 

"Nossos projetos pilotos mostraram que é possível aliar a produção de gado com a conservação dos serviços ecossistêmicos. Em um sistema de rotação de pastagem, por exemplo, podemos manter a qualidade do solo e fazer com que o sistema de reabastecimento de nascentes e rios funcione. Isso tem melhorado, inclusive, a saúde dos animais que passam a comer capim de melhor qualidade e, consequentemente, os próprios ganhos econômicos do produtor", afirma Alexandre.

A qualidade do solo na criação de gado também foi tema da segunda palestra do evento, que falou das possibilidades de se ter uma pecuária mais sustentável e de menor impacto climático. "Muito se fala do boi como um dos maiores emissores de carbono no Brasil. Mas o problema não é o gado e sim o sistema em que ele está inserido. 70% das produções de gado no Brasil não têm um pasto de boa qualidade, o que faria uma grande diferença. É muito possível você ter uma produção saudável e de menor impacto no ambiente quando o pasto é melhor manejado e quando se cumpre a lei com relação às áreas de reserva e APPs", afirma Leonardo Resende.

Além de destacar o papel ecológico que as fazendas criadoras de animais têm para o equilíbrio ambiental, Leonardo chamou atenção também sobre como o consumo consciente pode fazer a diferença quando se trata de emissão de carbono. "Sabemos do impacto do gado no clima, mas as pessoas também devem olhar para todas as emissões que estão envolvidas no seu dia a dia e na quantidade de recursos naturais que são utilizados para produzir determinados artigos. Quando você se alimenta de carne, existe uma pegada ecológica grande, mas quando você compra um celular e uma calça jeans, isso também acontece. Não existe um único vilão na história das mudanças climáticas", afirmou.

Seguindo a linha do consumo consciente, a terceira palestra falou sobre como as certificações de produtos orgânicos são realizadas, esclarecendo um pouco mais o público no momento da escolha de seus produtos. A agrônoma e Mestre em Conservação e Sustentabilidade, Débora Otta, falou como tais certificações impactam os agricultores familiares e produtores de orgânicos do cinturão verde de São Paulo. Durante o debate, Debora também alertou sobre a necessidade de colocar a pauta de orgânicos cada vez mais em evidência. "O Brasil detém o título de país que mais consome agrotóxicos no mundo. Quanto mais falarmos do assunto, mais iremos despertar o interesse de as pessoas buscarem por produtos mais alternativos como os orgânicos. Sabemos que as certificações, por exemplo, são uma das razões que podem fazer o produto ficar mais caro (uma das reclamações dos consumidores), mas existem muitas alternativas e só vamos conseguir pressionar por melhorias no setor - inclusive por incentivos que reduzam os preços - se a demanda pelos orgânicos for maior e só podemos fazer isso consumindo", comentou.

O evento contou com apoio da equipe da Virada Sustentável SP e da Unibes Cultural.