Últimas Notícias

Moradores de oito assentamentos no Pontal do Paranapanema fazem parte do projeto "Jardineiras da Floresta", que incentiva o uso de abelhas Jataí (Tetragonisca angustula), sem ferrão, para a produção de mel em suas propriedades. O projeto começou em 2016 e envolve 20 famílias. Cada uma implementou quatro colmeias de abelhas nos sistemas agroflorestais de suas propriedades, com apoio do IPÊ. Além da obtenção de produtos como mel, cera, resina e própolis, para comercialização, as colmeias são instrumentos para aumentar a polinização na produção agrícola dos assentados, incluindo as áreas de "Café com Floresta" - uma iniciativa agroecológica desenvolvida pelo IPÊ há mais de 15 anos na região. As 20 propriedades participantes ainda beneficiam indiretamente a polinização de outras 80 áreas vizinhas. Isso porque estima-se que as abelhas polinizam em um raio de até 1.000 metros.

O projeto é considerado uma inovação local porque fortalece as ações sociais e ambientais na região, promovendo a geração de renda e combinando produção com conservação do meio ambiente. O grande desafio nessas propriedades é a adaptação das colmeias nos sistemas agroflorestais, principalmente em assentamentos expostos a pulverização aérea de agrotóxicos. Para isso, o IPÊ promoveu a capacitação de 60 produtores (participantes do projeto e interessados), trabalhou com assistência técnica, e trocou experiências com os produtores para tentar criar mecanismos para facilitar a adaptação das colmeias nos bosques. A coleta do mel e condução das colmeias também foram pontos de preocupação nesse sistema, por isso o Instituto vai manter as atividades de assistência técnica.

"Nosso objetivo é também melhorar a relação dos produtores e sua família com a produção diversificada de subsistência e agroecológica. Monitoramos a adaptação das colmeias e criamos estratégias conjuntas dentro dos bosques para a condução dos enxames", explica Haroldo Borges, do IPÊ.

O assentado Antonio Nicolau de Andrade apostou na ideia. Ele tem em seu terreno quatro colmeias e já começa a ver os primeiros resultados. "É uma coisa que não dá muito trabalho e que pode render alguma coisa pra gente. Acho que vai ser positivo", diz ele, que já produz alimentos no Sistema Agroflorestal. Mandioca, batata, maxixe, abobrinha, entre outros, dividem harmoniosamente o espaço com árvores nativas da Mata Atlântica e garantem renda ao produtor, que comercializa os alimentos em feiras e na Conab (Companhia Nacional de Abastecimento).

A estação chuvosa no Pontal do Paranapanema contribui significativamente para a produção de novas mudas nos viveiros comunitários. Entre as árvores nativas, da Mata Atlântica, sob as condições climáticas atuais, pau-viola, jatobá, copaíba, jacarandá, embaúba, jenipapo e sabão-de-soldado, levam vantagem por terem maior taxa de germinação. Em clima quente e úmido, é momento de trabalhar.

"São cerca de 30 bandejas por espécie, cada bandeja com 135 mudas, totalizando mais de 4 mil mudas de cada espécie, que estarão prontas para serem plantadas em 3 ou 4 meses", explica Valter Ribeiro, do viveiro escola Alvorada (foto).

O IPÊ acompanha e dá suporte técnico a 11 viveiros comunitários na região, que produziram só em 2016, mais de 500 mil mudas. As árvores nativas da Mata Atlântica produzidas ali, beneficiam a renda de famílias e são utilizadas nos projetos de restauração local. A produção é destinada aos mais variados clientes e os viveiristas vêm apostando em novidades para atrair cada vez mais clientes. É o caso de dona Iraci Lopes Duveza, que, além de mudas, produz bonsais de árvores nativas. Para ela, essa diversificação é importante. No viveiro Viva Verde, são produzidas cerca de 150 mil mudas nativas por ano e 40 mil ornamentais.

"Nossas mudas vão para áreas que precisam ser restauradas por lei, são vendidas para empresas e também vão para a formação do corredor da Mata Atlântica do IPÊ. Também vendemos algumas exóticas porque temos que variar. Eu faço outros produtos para chamar atenção das pessoas que passam por aqui e que querem levar outros tipos de plantas", afirma.

As Havaianas IPÊ do tucano, da libélula e da cobra coral podem ser adquiridas na LOJA DO IPÊ. Além de lindas, 7% do valor de cada par é destinado aos trabalhos do IPÊ para conservação da biodiversidade. Adquira a sua, fique na moda e ajude na proteção da nossa riqueza socioambiental!

TUCANOLIBELULACOBRA CORAL