Serviços Ecossistêmicos

O IPÊ desenvolve um trabalho de avaliação e valoração dos serviços ecossistêmicos nas regiões abrangidas pelo Sistema Cantareira, incluindo a cidade de Nazaré Paulista. O objetivo é levantar informações para propor metodologias que visam à espacialização e à valoração econômica dos serviços ecossistêmicos identificados dentro dessa região, relacionados às formas de uso e ocupação do solo e desenvolvimento rural.

Os ecossistemas naturais são responsáveis por diversos benefícios que garantem as condições e processos para a vida e que, de maneira direta ou indireta, contribuem para a sobrevivência e o bem-estar humano, como  regulação climática e hídrica, conservação da biodiversidade, fertilidade dos solos e ciclagem de nutrientes, polinização, belezas cênicas e outros. 

Nas últimas décadas, a pressão das atividades econômicas sobre os ecossistemas naturais está comprometendo a capacidade natural dos ecossistemas em prover tais serviços. Assim, observamos o nascimento de uma série de iniciativas voluntárias, de pessoas e instituições, interessadas na conservação dos Serviços Ecossistêmicos. Essas ações devem ser economicamente incentivadas de forma a se tornarem parte importante dentro de uma estratégia maior de conservação dos recursos naturais no Brasil. Os mecanismos de PSA integram essa estratégia, pois incentivam economicamente as ações voluntárias de conservação desses serviços.

A proposta deste grupo de trabalho é levantar informações que subsidiem a formulação de políticas públicas e que dêem bases para projetos relacionados ao pagamento por serviços ambientais. As ações são realizadas de forma integrada com as comunidades locais, buscando encontrar caminhos comuns que levem ao desenvolvimento rural sustentável.

1. Projeto Semeando Água: Pagamento por Serviços Ambientais no Corredor Cantareira-Mantiqueira

Projeto com o objetivo de estruturar um modelo funcional de Pagamento por Serviços Ambientais no Sistema Cantareira. Para tanto, são pesquisados aspectos ecológicos e econômicos relacionados a este tipo de política.

Nos aspectos ecológicos, avaliam-se tanto a influência de diferentes gradientes florestais sobre a qualidade e a quantidade de água fornecida ao Sistema Cantareira, como a perda de solo nas diferentes ocupações que predominam nesta região (pasto, eucalipto e floresta). Nos aspectos econômicos, são avaliados o custo de oportunidade das principais atividades agrícolas (leite, corte e eucalipto) e a disposição a receber/aceitar dos proprietários rurais para destinarem parte de suas propriedades ao reflorestamento.

O projeto é financiadopela GIZ/KFW com o apoio do Fundo Brasiliero para Biodiversidade (FUNBIO)

2. Projeto Embaúba: Recuperação de Áreas Degradadas no Corredor Cantareira-Mantiqueira

O projeto tem como objetivo principal identificar, apoiado em critérios da ecologia de paisagens, as áreas prioritárias para a conservação de serviços ecossistêmicos no Sistema Cantareira. O IPÊ realizará ainda uma análise de viabilidade econômica e de aspectos ecológicos (diversidade de espécies e conexão florestal) em diversos experimentos de enriquecimento de áreas em regeneração natural nesta mesma região.

A ideia central é contribuir com os formadores de políticas públicas com estratégias (econômicas e ecológicas) para a recuperação florestal do Sistema Cantareira e, com isso, garantir a provisão de serviços ecossistêmicos nesta região.

O projeto é financiado pelo acordo TFCA (Tropical Forest Conservation Act) com apoio do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO)

3. Consolidação de protocolos para o monitoramento de Projetos de Pagamentos por Serviços Ecossistêmicos

O objetivo deste projeto é avaliar em termos técnicos, econômicos e de facilidade de operacionalização as melhores metodologias para monitoramento e avaliação dos impactos econômicos, sociais e ambinetais decorrentes dos projetos de PSA que estão sendo desenvolvidos no Brasil. Para alcançarmos tal objetivo, iremos realizar a revisão e sistematização das principais metodologias de monitoramento de serviços ecossistêmicos existentes no Brasil e no mundo. Este trabalho é realizado em parceria com a ESCAS – Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade. É financiado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) .

4. Grupo de trabalho para a revitalização dos Mananciais do Sistema Cantareira

Este trabalho tem como objetivo principal a elaboração de uma proposta de ações prioritárias para conservação dos Mananciais do Sistema Cantareira. A ideia é poder influenciar o estabelecimento de obrigações de recuperação dos mananciais do Sistema Cantareira durante as negociações da renovação da outorga da água, previstas para o ano 2014. Este grupo conta com a participação de uma série de instituições de pesquisa, ONGs, prefeituras e atores sociais que atuam no Sistema Cantareira.

  • FUNBIO/GIZ: Fundo Brasileiro para Biodiversidade
  • FEHIDRO: Fundo Estadual dos Recursos Hídricos
  • USAID – United States Agency for International Development
  • IFS – International Foundation for Science
  • Russel E. Train  Education for Nature Program/ WWF
  • Whitley Fund for Nature
  • FNMA – Fundo Nacional de Meio Ambiente
  • Alcoa Foundation