Baixo Rio Negro - AM

Auto-Fortalecimento da Cultura Baré, por meio do Turismo Comunitário e da valorização do artesanato na Comunidade de Nova Esperança.

Projeto pela valorização do trabalho justo na educação indígena, na qualificação e na atuação das mulheres na cadeia de valor do artesanato e do turismo, na comunidade Nova Esperança (AM).


Eco-Polos Amazônia XXI: Criação e desenvolvimento de cadeias produtivas sustentáveis para a Amazônia

Muitas famílias no baixo Rio Negro vivem de programas governamentais e do corte de madeira, que não garante remuneração justa e, na maioria das vezes, está fora das normas de manejo. O IPÊ acredita no fortalecimento das cadeias de produtos da sociobiodiversidade amazônica para gerar renda e valorizar o conhecimento e práticas tradicionais. 


Navegando Educação na Amazônia

O barco Maíra I percorre as comunidades integrando-as e promovendo atividades socioambientais.


Conservação do Peixe-Boi-Amazônico

O Programa de Conservação do Peixe-boi da Amazônia teve início em 2003, no Parque Nacional de Anavilhanas. Desde então a equipe de pesquisadores do IPÊ promove a conservação da espécie na região do baixo Rio Negro, por meio da realização de estudos com animais de vida livre, de projetos de reintrodução e de atividades de sensibilização ambiental.


Projeto Mosaico de Áreas Protegidas

O IPÊ foi uma das organizações envolvidas na criação do Mosaico de Áreas Protegidas no baixo Rio Negro. Ele é necessário para integrar a gestão das áreas que já estão fisicamente conectadas, bem como reunir os seus atores sociais, diminuindo a situação de isolamento e dificuldade de administrar cada área individualmente.


Projeto Sociobiodiversidade

O IPÊ busca atuar nas questões da agricultura, da segurança alimentar e da valorização cultural, com a abertura de novas frentes de ação para a conservação e uso sustentável da biodiversidade. Este projeto começou em 2005, e até hoje é a base do trabalho do Instituto na região.


Turismo de Base Comunitária

A região do baixo Rio Negro possui uma série de características espaciais que a elevam a categoria de pólo turístico do Estado do Amazonas. Apoiado nessas premissa, o IPÊ desenvolve desde 2003, o projeto Turismo de Base Comunitária no baixo Rio Negro, a fim de ordenar as atividades turísticas na região, integrando os interesses da conservação com os do desenvolvimento regional.