Havaianas

Havaianas IPÊ: a sandália que é o Bicho!

Desde 2004, IPÊ e Havaianas têm uma parceria que encanta os brasileiros e o mundo por meio das Havaianas IPÊ, sandálias com estampas que retratam a fauna e flora das matas brasileiras. Comercializadas em cerca de 100 países, elas colaboram para a conservação da biodiversidade do Brasil, com repasse de 7% das vendas líquidas para o Instituto. 

Sobre a parceria

A mecânica adotada para estabelecer essa parceria foi a do Marketing Relacionado à Causa (MRC). Trata-se de um acordo comercial entre empresa e organização da sociedade civil e/ou causa que utilizam o poder de suas marcas para benefício mútuo. Para as empresas, é uma modalidade de investimento social corporativo que alinha estratégias de marketing às necessidades da sociedade, utilizando a expertise da sua área de marketing para promover e mobilizar a sociedade em prol de uma causa. As instituições sociais podem usufruí-la como uma ferramenta de captação de recursos e conscientização da sociedade.

Nas Havaianas IPÊ, o uso de figuras de animais da fauna brasileira nas estampas das sandálias foi a maneira encontrada para que, tanto Havaianas quanto o IPÊ, agregassem valor às suas respectivas marcas e gerassem benefícios à biodiversidade.

A ideia de associar a imagem de Havaianas a um projeto que representasse responsabilidade social e ambiental já existia dentro da empresa, embora, na ocasião, ainda não existisse uma definição do formato de parceria ou projeto. O IPÊ, por sua vez, uma Organização da Sociedade Civil (OSC) até então só conhecida no meio científico e acadêmico, buscava visibilidade nacional para alavancar meios de assegurar sua sustentabilidade em longo prazo. Assim, com as sandálias Havaianas (um produto extremamente democrático), poderia disseminar o nome da organização e a causa da biodiversidade brasileira, dando a oportunidade de o brasileiro conhecer a rica natureza do Brasil e apoiar a sua proteção.

A parceria também contribuiria para outro sonho institucional do IPÊ: o início da formação de um endowment fund, fundo fiduciário que visa contribuir com a sustentabilidade financeira organizacional. Os royalties acordados em 7% sobre a venda líquida do produto passaram a ser direcionados a este fundo de conservação, que cria condições para a continuidade dos trabalhos da organização, tornando possíveis investimentos em novas frentes e um maior profissionalismo administrativo.

A primeira coleção trouxe o peixe-boi, o mico-leão-de-cara-preta e o papagaio-da-cara-roxa, animais ameaçados de extinção e que eram temas de pesquisa do Instituto, na época. Pela primeira vez, a marca Havaianas colocou o logo de uma organização da sociedade civil ao lado do seu, no solado do produto. Com o passar dos anos, os desenhos passaram a retratar outros animais brasileiros e seus habitats, sempre trazendo nomes científicos e informações sobre as espécies.

Desenvolvimento do trabalho

Os processos de elaboração do produto e também da campanha de comunicação são planejados conjuntamente entre empresa e Instituto.

A interação inicia-se com a definição das espécies e detalhes da natureza que serão ilustrados em cada coleção. Ao IPÊ cabe o conteúdo técnico-científico sobre os animais e habitats; à Havaianas, a criação da arte e divulgação da coleção.

Nenhum texto ou peça publicitária é veiculado sem a anuência das partes envolvidas e sempre existiu uma grande preocupação com a transparência das informações que deveriam chegar ao público, como o percentual revertido para o IPÊ e o que tem sido realizado com os recursos gerados pela da parceria.

A parceria Havaianas IPÊ continua em alta, com um esforço conjunto e contínuo, para o desenvolvimento de coleções sempre atrativas e comercialmente competitivas, com mensagens que visam atingir o consumidor final de forma a sensibilizá-lo e envolvê-lo para a causa da conservação ambiental.

As vendas têm efetivamente contribuído com a organização e com a continuidade de seus projetos, além de divulgar espécies da fauna brasileira que se encontram em perigo, muitas delas desconhecidas por grande parte da população. Até 2016, a coleção vendeu mais de 14 milhões de pares, o que reverteu mais de 7 milhões de reais ao IPÊ. Para Alpargatas S.A e Havaianas, esta é uma forma criativa de assumir a responsabilidade socioambiental, dando exemplo de compromisso e modernidade empresarial. Já o consumidor tem a oportunidade de adquirir um produto que retrata as belezas naturais do Brasil, além de saber que está contribuindo para sua conservação.

Campanhas

Em 2010, uma campanha veio reafirmar o sucesso da parceria: o leilão virtual de uma mini-floresta produzida com madeira certificada, retratando as espécies de Mata Atlântica e Amazônia que já fizeram e que fazem parte das coleções de sandálias Havaianas IPÊ. O maior valor do leilão levou a floresta que ficou em exposição em um hotsite e a arrecadação foi revertida para os projetos do IPÊ. VIDEO

Em 2014, foi a vez de contar a história da vida da anta para os consumidores das sandálias.  A proposta foi levar informações sobre a importância da espécie para a biodiversidade brasileira - a anta como jardineira das florestas - e mostrar que, ao comprar Havaianas-IPÊ, o consumidor está apoiando projetos do IPÊ como este que atua para a proteção da anta, na Mata Atlântica, Pantanal e Cerrado. VIDEO.

Sobre Havaianas

Sucesso mundial, Havaianas é uma marca genuinamente brasileira. O produto começou a ser produzido em 1962, pela Alpargatas, com inspiração nas sandálias japonesas de palha de arroz (Zori), feitas com tiras de tecido. No lugar da palha, entrou a borracha, resistente, macia e feita para durar. O grão de arroz inspirou a textura da palmilha. Já o nome foi emprestado do Havaí, projetado por Hollywood como lugar dos sonhos dos anos 60. Produzidas com solado branco e tiras azuis, a novidade caiu no gosto do consumidor e dois anos depois do lançamento, já estava nos pés de boa parte dos trabalhadores brasileiros.

Ao longo dos anos, a fama sobre a qualidade do produto se espalhou ainda mais, as sandálias foram ganhando novas cores além das tiras azuis e, em 1995, a primeira Havaianas estampada foi trazida ao mercado. A partir daí, a marca passou a evoluir, seguindo o espírito de seu tempo e lançando tendências. Modelos e celebridades do Brasil e do exterior também passaram a desfilar com a sandália nos pés. As exportações avançaram e a marca ganhou espaço em revistas e nas principais vitrines moda no mundo.

Nos anos seguintes, a marca continuou a diversificar e inovar ainda mais, com lançamentos como as Havaianas Slim, a linha Soul Collection, as Havaianas Flat, a própria coleção de roupas, as galochas, e a linha de óculos, lançada em 2016.

Confira mais sobre a história das Havaianas.  

Sobre a Alpargatas

Empresa brasileira líder no setor de calçados na América Latina, a Alpargatas é detentora de marcas desejadas como Havaianas, Dupé, Osklen, Topper na Argentina, Sete Léguas e Meggashop e detém a licença de Mizuno no Brasil. A companhia oferece produtos inovadores com tecnologia e design diferenciados e possui competência na construção e gestão de marcas globais, que proporcionam relação de admiração e confiança com os consumidores. Com lucro líquido de R$ 358,5 milhões em 2016 (crescimento de 36% em relação ao ano anterior), a Alpargatas possui fábricas no Brasil e na Argentina, 698 lojas em todo o mundo e seus produtos estão presentes em mais de 100 países.