Depoimentos

Professores falam sobre parceria com IPÊ no Pontal do Paranapanema

Só em 2015, mais de 160 professores participaram de três cursos gratuitamente, oferecidos pelo IPÊ. "O professor tem um enorme potencial de multiplicar o conhecimento para um número significativo de pessoas. E esse trabalho precisa ser contínuo. Se tivéssemos mais professores capacitados na área socioambiental, certamente teríamos uma sociedade bem mais atenta às questões do meio ambiente", diz Maria das Graças Souza, coordenadora de Educação Ambiental.

Veja Mais

Monitoramento comunitário visa proteger castanhais da Resex Cazumbá-Iracema

"A ideia dentro dessa iniciativa de monitoramento, é de cada unidade de conservação envolvida no projeto trabalhe com uma espécie ou atividade de interesse local. No caso da Cazumbá foram os castanhais tendo em vista que existe uma percepção da comunidade de que a produção de castanhas está diminuindo.

Veja Mais

Oportunidade não se deixa passar

Vanessa Martins é moradora do assentamento Água Sumida, zona rural de Teodoro Sampaio, um dos locais onde o IPÊ, há mais de 10 anos, realiza trabalhos para conservação e geração de renda. Ali, a partir das atividades de educação ambiental e capacitação em artesanato, Vanessa viu a oportunidade que precisava para desenvolver o seu talento. Nas aulas de artesanato, a proposta do IPÊ foi sempre estimular os potenciais artesãos a olharem para a biodiversidade presente no seu cotidiano, e representá-la em seus produtos.

Veja Mais

MBA atrai jovens que buscam trabalhar com negócios e bem-estar socioambiental

A publicitária carioca Fernanda de Barros Filgueiras, de 23 anos, sempre teve curiosidade sobre assuntos ligados ao desenvolvimento social e negócios na base da pirâmide. Tanto, que seu desejo por empreender em uma área social a fez ser sócia da start up Vem Gerir, com foco em microempreendedores.

Veja Mais

A voz do aluno: Confira depoimento de Eduardo Silva Brito sobre MBA da ESCAS

"Sou administrador por formação e, apesar de sempre ter me interessado por empreendedorismo, acabei me tornando servidor público. Há cinco anos trabalho como administrador no Ministério da Saúde.

Veja Mais

Na Amazônia, voluntários monitoram quelônios na Resex Unini e no Parna Jaú

Em 2015, em parceria com o ICMBio, o IPÊ e outros parceiros institucionais, promoveu a primeira Oficina de Monitoramento Participativo de Quelônios, divulgando os primeiros resultados do monitoramento realizado por comunidades sobre o status de conservação das diversas espécies de quelônios da região.

Veja Mais

Maravilha de ipê!

"Olha que maravilha de ipê! Isso deve ser por causa do adubo, mas também porque aqui a gente planta tudo junto e a coisa vai, né?". No sítio de Rita Rosa Bernadino, abacaxi, lichia, melancia e laranja dividem espaço pacificamente com abobrinha, quiabo, café, mandioca e árvores nativas da Mata Atlântica. Ela é uma das assentadas rurais que participou em 2015 dos dois cursos do IPÊ sobre como manejar o SAF na propriedade e como fazer a gestão da produção. De maneira simples, ela explica o que aprendeu. E olha encantada como em pouco tempo os pés de ipê, canafístula e embaúba que plantou há sete meses já cresceram.

Veja Mais

Dominic Wormell, Chefe do Departamento de Mamíferos da Durrell Wildlife Conservation Trust

"Tive a oportunidadede ver as primeiras árvores do corredor sendo plantadas e, em visitas subseqüentes, tenho visto mais e mais a restauração da terra. Na última visita (novembro de 2015) vimos o progresso dos corredores. Foi verdadeiramente inspirador ver como os corredores e trampolins ecológicos (stepping stones) têm crescido. É um fantástico exemplo de como um trabalho de conservação deve ser executado."

Veja Mais

Leandro e Regiane, alunos beneficiados pelo projeto "Nascentes Verdes, Rios Vivos"

Leandro Jesus de Moraes e Regiane Ramos Santos são alunos do 8º ano da Escola Estadual do Bairro Divininho, em Nazaré Paulista (SP), e participam do projeto do IPÊ desde o 6º. Para ambos, as atividades ajudam a descobrir muito mais sobre biodiversidade e importância das áreas naturais.

Veja Mais

Carlos Eduardo Ronca - Aluno do MBA em Gestão de Negócios Socioambientais

"Estava decidido a largar a minha atuação jurídica (sou advogado de formação) e queria empreender um negócio socioambiental, então achei que um MBA em Gestão de Negócios Socioambientais seria uma ótima oportunidade para aprender sobre a gestão desse negócio então embrionário, além de acreditar no potencial de networking que o curso ofereceria. Já tinha feito um MBA em Gestão de Sustentabilidade, mas sentia falta de conteúdos focados nesse novo mercado.”

Veja Mais

Ricardo Abrahão - Aluno do MBA Gestão de Negócios Socioambientais

"Em 2011 criei o projeto "RECICLE SUAS IDEIAS", em Minas Gerais. Esse projeto me levou além do que eu imaginava. Nele pude trabalhar junto com os catadores de materiais recicláveis e tive uma grande aceitação. Foi nesse trabalho que me deparei com um tema, até então desconhecido por mim, que era o Empreendedorismo Socioambiental. Então decidi buscar conhecimento com o MBA Gestão de Negócios Socioambientais, que me ajudou a formar uma visão de gestão de negócios, área onde eu não tinha experiência nenhuma."

Veja Mais

Mônica Monteiro Klein - mestre pela ESCAS

"Estava prestes a iniciar o mestrado acadêmico em outra instituição quando, de repente, recebi a informação de que o IPÊ estava com as matrículas abertas para o mestrado profissional. Parei para ler e fiquei encantada com a proposta do programa e com a ideia de estar imersa em um ambiente cercado por muita natureza e por uma equipe de profissionais extremamente comprometidos com os valores ambientais do Instituto."

Veja Mais

Yara Barros - presidente da SZB

A campanha Minha Amiga é uma Anta, lançada ainda em 2012, ganhou uma força importante em 2013, por meio da parceria com Sociedade de Zoológicos e Aquários do Brasil (SZB). Para promover a conservação da espécie, a campanha leva informações de maneira educativa e divertida e foi inserida nos programas de educação ambiental de cerca de 40 zoológicos e aquários em todo o País, tendo como público alvo principal crianças e adolescentes.

Veja Mais

Jane Rodrigues Vasconcelos de Araujo - coordenadora de cursos da ETEC

No Pontal do Paranapanema, uma parceria do IPÊ com a ETEC Centro Paula Souza de ensino leva aos alunos do curso técnico em Agroecologia, uma vivência prática sobre o universo dos viveiros e mudas e dos sistemas agroecológicos. Em 2013, o Instituto promoveu o Curso de Viveiros para 21 jovens alunos da turma descentralizada da escola de um assentamento rural, Gleba XV de Novembro, no município de Rosana. Jane Rodrigues Vasconcelos de Araujo, coordenadora de cursos da ETEC, conta que a parceria com instituições locais que atuam com agroecologia, como o IPÊ, é de grande importância para os alunos da escola, inclusive dos assentamentos.

Veja Mais

Iraci Lopes Duveza

Do contato com o projeto do IPÊ, há 14 anos, Iraci animou-se com a ideia de ter um canto na sua propriedade para produzir mudas e ajudar na restauração das Áreas de Reserva Legal e Preservação Permanente das propriedades da região. Hoje, batizado de Viva Verde, o seu empreendimento está entre os oito viveiros comunitários do IPÊ, que só em 2011 produziram 400 mil mudas, gerando renda a famílias participantes do projeto e emprego a outras pessoas, como no caso do Viva Verde, que emprega, a filha de Iraci e mais três pessoas para dar conta da demanda.

Veja Mais

Francisco e Aparecida Gomes

Francisco e Aparecida Gomes são moradores do assentamento São Bento, setor IV do município Mirante do Paranapanema, há 14 anos. Na propriedade, de 15 hectares, dentre os plantios de mandioca e abacaxi e o pequeno viveiro que o casal mantém para renda, estão os 1,5 mil pés de café, plantados entre as árvores nativas desde 2001, no início do projeto Café com Floresta.

Veja Mais

José Aldari Coelho

José Aldari Coellho Filho, da comunidade Pagodão (Baixo Rio Negro) é um dos participantes do projeto de agroecologia. Com metodologia participativa e diálogo entre saberes, o projeto do IPÊ orienta o agricultor sobre manejo sustentável dos recursos naturais, em especial um melhor uso da terra: como abrir novas áreas de roçados em áreas de capoeira, não usar fogo no processo, aproveitar a matéria orgânica como adubo e diversificar as espécies plantadas.

Veja Mais

Lucia Domingos de Souza

Estar em contato com as pessoas e ajudá-las de alguma maneira fez Lucia Domingos de Souza seguir a carreira da enfermagem. Ela atua na profissão no Ariri desde quando se mudou para lá definitivamente em 2006. O local é um bairro do município de Cananeia (São Paulo) cercado por Unidades de Conservação, onde vivem cerca de 126 famílias. É ali que ela conheceu o trabalho de conservação do mico-leão-de-cara-preta e de envolvimento comunitário do IPÊ.

Veja Mais